Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Melhor Amiga da Barbie

Uma guerreira sem coordenação.

03.12.14 | Ana Gomes

taptap.jpg

 

Há uns anos atrás tive uma ruptura amorosa muito difícil de gerir ( como todas de resto ) mas durante a qual não tinha a noção de vida e perspectiva que tenho agora. 

Ou seja... estava um caco ambulante, horrível para toda a gente, ferida e indecente. Achei que a minha vida ia acabar. Para não variar os amigos são autênticos anzóis disponíveis para nos ir buscar mesmo que seja preciso fazer mergulho... e na altura - em que na verdade por sermos todos mais novos ainda ninguém tinha as responsabilidades de gerir uma casa ou família - faziam-se festas durante a semana em que a única regra era rir e não pensar na vida. 

Ligaram, ligaram... ligaram e eu nada - claro! Lá me vieram buscar a casa e fui calças de pijama e casaco até ao joelho do Bairro Alto para a Bica onde ficava a casa deste grupinho querido. 

 

Um bom jantar - que não me lembro de ter comido - muitas guitarras, muito fumo e uma novidade : uma consola daquelas novinhas que se jogavam sem comando - ou melhor : com o comando preso ao pulso e bora lá por o corpo a trabalhar. 

O Zé pôs um jogo de boxe e diz : Joga... dá aí uns murros e uns pontapés e vais ver que isso melhora. 

 

Ora bem.. eu sou uma pessoa "da paz" e toda a violência me macera. Mas acreditem : senti-me melhor. Nada melhorou quando saí lá de casa, mas durante aquele jogo libertei um sentimento chato e ri-me - bastante - da minha descoordenação motora. 

 

Passaram MUITOOOOS anos e nada do género se passou. 

Hoje tive de trabalhar de manhã cedo num texto que não queria largar e falhei a minha aula no ginásio... quando cheguei ouvi a Isa dizer que ia começar a aula de Warrior e pensei "porque não?"... 

 

A aula foram "só" trinta minutos mas saí de lá COMPLETAMENTE k.o. Gabo a energia e a capacidade teatral do professor do Holmes Place que interagiu imenso connosco e conseguiu em expressões ser muito gráfico em relação ao nosso alvo e aos nossos movimentos. 

Devo confessar que não pensei em ninguém em particular. Quando tive energia para pensar foquei-me nas minhas ansiedades e nas coisas que não fiz por medo. Ás tantas só pensava "DEVIA ESTAR NO YOGA" enquanto dava socos e pontapés no ar. 

 

Conclusão : acho óptimo para gerir o stress ou libertar tensão acumulada. Não dispensa uma actividade mais calma para a mente ir ao lugar mas a adrenalina ali também é importante. 

Sobre mim concluo o de sempre : coordenação nunca será o meu forte. E se algum dia alguém me atacar na rua não me saberei defender. Mas eu tentei.. e acho que sempre que me apetecer vou continuar a tentar!

 

 

1 comentário

Comentar post