Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Melhor Amiga da Barbie

03
Fev20

Sobre As Resoluções E O Que Faço Por Elas.

Ana Gomes

 

8e43d0d843fdbdd45cf2a2845fa1bcfa.jpg

 

 

Não sou uma pessoa de resoluções de Ano Novo. 

Não obstante acho que todas as oportunidades de recomeço e incentivos a novos hábitos devem ser aproveitadas. Por isso no final do ano passado, concentrei-me mais do que nunca a tentar perceber o que queria mudar. Mais do que coisas físicas ou palpáveis. O que precisava de mudar para me sentir melhor. 

Não foi muito difícil chegar às respostas. Admitindo que a maioria das condicionantes pareciam existir fora de mim é fácil ir encontrando desculpas ou justificações. Mas seria sempre possível agir para além disso. 

Assim misturei alguns objectivos "mundanos" com outros tantos mais internos. Até agora a missão vai bem sucedida e gostava de vos incentivar a fazer alguns balanços ao longo do ano por vários motivos : para não perderem o fio à meada, para entenderem o que está a falhar : e a tempo de não deixar o assunto morrer, e também para que se possam congratular pelas coisas que vão atingindo : é das melhores formas de manter um hábito ou de arranjar motivação. 

 

A titulo de curiosidade posso-vos dizer que passei a dormir com uma agenda ao lado da cama

Após a dita reflexão, compreendi que muitas vezes não chegava a descansar totalmente pela ansiedade de me poder esquecer de algo importante do dia seguinte. Acordava com aquela mensagem interior que me dizia : ah... mas amanhã tens de ir entregar aquilo não sei onde. Há muito tempo que me organizo com a agenda do telemóvel - e continua a ser assim - mas poder escrever as coisas em papel tem sido duplamente benéfico. A verdade é que escrever me ajuda a interiorizar - algo que não funciona da mesma forma em formato digital - e porque não cedo à tentação de agarrar no telefone para apontar aquilo que não me quero esquecer. Esta nova agenda de papel também acaba por funcionar como uma espécie de diário de gratidão onde posso apontar algumas coisas pelas quais sou grata - e que me ajudam a ter uma postura mais bonita em relação à vida e às coisas que devo valorizar. 

 

Deitar Cedo e Cedo Erguer - O ditado diz que dá saúde e faz crescer. Eu acredito que seja verdade, mas mesmo que não seja - e duvido mesmoooo que não seja ahaha , tem sido particularmente agradável. Tenho-me deitado muito mais cedo e sem aquele plano de ir ver uma série. Vou ler um livro ou pura e simplesmente organizar-me para descansar. Ao mesmo tempo acordo mais cedo sem qualquer esforço e acabo por ficar com mais tempo para fazer tudo com calma : desde preparar o pequeno-almoço para todos, brincar com a Vi antes da escola ou fazer a minha caminhada junto ao rio sem a pressa dos planos que se seguem. Confesso que a viagem que fizemos no principio do ano para o Sri Lanka ajudou um pouco. Já na Indonésia tinha sentido o mesmo : o dia acaba muito cedo e acordar cedo é mandatório. Como absorvi esta rotina tem sido mais fácil aplicá-la por cá. Temos acordado sempre sem o despertador por volta das 6h. Em todo o caso já o programei para as 7.15 nos dias em que o relógio interno não funcionar. Mais tempo de qualidade e menos urgência nas coisas que realmente importam : cuidar de mim e da minha familia. 

 

Yoga - O Yoga diz-me muito há muitos anos. Muitos mesmo. Lembro-me perfeitamente da primeira aula de yoga a que fui na vida e não me consigo esquecer de nenhum professor com quem tenha praticado. Adoro. Para mim é mais do que aquele momento na aula e está intimamente ligado com a forma como vivo a minha vida. Mas muitas vezes não fiz desta prática - no tapete - uma prioridade. Tenho pouquissima flexibilidade, sou um zero à esquerda na maioria das posturas e acreditem : isso não impede nada. Ok... impede que faça o pino e similares, mas interiormente há beneficios nas várias adaptações e está tudo bem! Decidi que este ano isso não pode acontecer. Está marcado na minha agenda como qualquer outro compromisso importante. Faz-me bem e isso tem de ser algo prioritário. 

 

Formação - Este ano quero continuar a investir na minha formação. Quer sejam workshops ou cursos. Tenho um mealheiro para estes investimentos pessoais e já tenho uma primeira formação prevista para Março : um dos cursos que não fiz o ano passado na área do Mindfullness. Faz-me sentido. Acho que posso aplicar não só a titulo pessoal como em consulta ou até mesmo com a Vi. :) Os restantes que quero fazer estão mais ligados com culinária ( queijos vegan está na lista ) e alguma coisa relacionado com Ayurverdica. Na escola onde fiz o curso de Health Coaching há uma formação em Fome Emocional que adoravaaaaa fazer este ano, mas os cursos têm valores ok para os Estados Unidos e dolorosos para a realidade portuguesa e por isso acho que não irei avançar já. Palavra de ordem : continuar a encher o mealheiro. 

 

Andar de Bicicleta : Sim... também estava nas resoluções de Ano Novo e a única coisa que fiz neste sentido foi namorar uma super gira que está na entrada de um supermercado. Acho que agora com os dias bons talvez perca a vergonha e peça uma emprestada a alguém para ir tentando. Não é que em criança não tenha tentado mas tenho muita falta de equilibrio e nunca consigo tirar os dois pés do chão. E explicar isto a quem não entende? Pois... 

 

Ter menos : E menos... e menos! Praticamente não tenho comprado roupa nos últimos meses. Foi uma grande vitória pessoal. Ainda que as redes sociais nos façam sentir fora da "cena" por causa disso. Sempre que recebo uma mensagem a perguntar : de onde é o casaco, o gorro, as calças? É com alguma relutância que tento explicar que são peças tão antigas que algumas nem sei de que marca são. Isso não quer dizer que tenha pouca coisa : tenho imensas coisas, mesmo! Ter menos coisas no meu caso vai levar anos mas ter isso como objectivo é um óptimo ponto de partida. Não só porque condiciona o comportamente de consumo... mas também porque dá um prazer extra quando conseguimos dar alguma coisa a alguém que vai dar uma nova vida às coisas que fizeram parte da nossa. 

 

Limpar a Despensa : Tem sido divertido ter mais criatividade na cozinha. Basicamente antes de ir às compras tenho sempre que dar uma volta ao que já lá existe em casa. Colaborando com várias marcas acabam por me vir parar a casa coisas que não são de consumo recorrente ou imediato e vou acumulando mercearias. Assim antes de ir comprar as coisas que comemos regularmente, tenho-me esforçado por incluir as outras nos nossos menus e tem sido um exercicio óptimo. Nem sempre resulta em pratos perfeitos - há que ser honesta - mas ainda não foi nada para o lixo. Claro que continuo a ir várias vezes por semana ao supermercado porque consumimos imensa fruta e legumes que preferimos comprar sempre frescos - e biológicas quando é possível. 

 

Menos Produtos de Origem Animal - já perdi a conta há quantidade de anos que estou sem comer carne. Mas uma coisa é certa : são mais os que passei sem comer do que aqueles que comi. Nunca impus as minhas escolhas alimentares a ninguém e orgulho-me disso. É a minha escolha! Progressivamente fui deixando de comer peixe e desde que a Vi nasceu que nunca mais comi : e duvido que o volte a fazer. Em janeiro abracei o desafio #Veganuary  e estive todo o mês sem comer qualquer produto de origem animal : os ovos e o queijo são o meu ponto fraco. Especialmente porque estão "escondidos" em vários alimentos com que nos cruzamos no dia-a-dia. Completei o mês de Janeiro com sucesso  - sem consumir qualquer derivado e quero mesmo incorporar isto na minha vida o mais possível. Sei que não terei uma alimentação vegetariana estrita a longo prazo mas conto que seja 90% assim. É que ainda não consigo prometer que não coma um bolinho ou um pedacito de queijo quando não existir alternativa e me apeteça mesmo, mesmo, mesmo. Em todo caso : vale sempre mais a pena ser uma vegetariana imperfeita, certo?

 

Viajar continua nos meus planos. Fazer um retiro. A solidariedade. 

 

Fala-vos de outras coisas outro dia. :) 

 

E as vossas resoluções? Como Andam? 

 

 

05
Dez19

Rubrica RFM - Top 5 - Dicas Para Um Natal Ecológica.

Ana Gomes

a4093f05c32a61a2b2bd0d77887c29a2.jpg

O Natal - que se caracteriza por ser uma época especial de Paz e Amor - acaba muitas vezes por ser uma altura de muito consumismo, desperdício e impulso. 

O culto de oferecer um presente - mais do que estar presente - está muito incutido na nossa cultura e todo o envolvimento de almoços, jantares, encontros e momentos familiares proporcionam e aumentam estes comportamos de consumo. 

Mas se o vosso objectivo for ter um Natal mais amigo do ambiente, estas são as algumas das dicas que podem tentar incorporar nos próximos eventos Natalícios : 

5 - Evitar Comprar Enfeites de Natal Artificiais : 

A menos que os enfeites já existam lá por casa e estejam a ser infinitamente reutilizados, a ideia de comprar novos enfeites artificiais pode - e deve - ser bastante ponderada. Optar por elementos recolhidos da natureza - há projectos incríveis com pinheiros que são apanhados da limpeza das florestas para evitar incêndios - ou mesmo decorações feitas com vidro ou madeira que têm um impacto totalmente diferente quando comparados com os de plástico. 

 

4 - Diminuir o Nr de Presentes : 

Mentalizando-se também que - por norma - quem menos oferece é quem menos recebe, mas efectivamente é urgente rever quantos presentes se oferecem e que tipo de presentes oferecemos. As compras por impulso, as pequenas lembracinhas - tantas vezes sem utilidade, só para "assinalar" - são altamente desnecessárias, muitas vezes também para quem as recebe. 

 

3 - Os Embrulhos : 

Mais um saco, mais um papel de embrulho que vai ser rasgado e possivelmente nem vai ser colocado na reciclagem de papel... um pequeno inferno que tantas vezes nos passa ao lado. O melhor será mesmo reciclar jornais e revistas para fazer embrulhos, ou comprar papel reciclado e quem sabe : personalizar. Existem várias opções bastante engraçadas de tecidos que depois podem ser utilizados como acessório ou como decoração e que dão embrulhos originais. No final do dia, qualquer que seja a escolha, façam por colocar os embrulhos no caixote de reciclagem azul. 

 

2  - Comprar a Granel e Utilizar Sacos Reutilizáveis. 

Quando forem comprar os presentes, não se esqueçam de levar no carro aqueles sacos que andam lá por casa. É uma óptima forma de poupar uns cêntimos e poupar muito o ambiente! E quando forem comprar os ingredientes para as refeições optem preferencialmente por embalagens maiores ou por comprar a granel ou em mercados locais. 

 

2 - Evitar Desperdício Alimentar Nas Refeições : 

Claro que quando somos os anfitriões da ceia de Natal ou de alguma refeição , não queremos que as pessoas tenham fome ou que haja pouca comida na mesa. Mas na grande maioria dos casos há muita comida que acaba no lixo. Numa primeira análise podemos tentar ser realistas : adequar as quantidades. Depois existem outras boas soluções : planear as refeições e pensar em aproveitamentos de sobras para as refeições seguintes : pastelões, empadões ou a famosa roupa velha são boas formas de reduzir o desperdício. Finalmente, tudo aquilo que não tiver sido "tocado" pode ser entregue a pessoas desfavorecidas. 

 

 

 

07
Jun18

Rubrica RFM - Top 5 - Dicas Ecológicas Para Educar os Mais Pequenos.

Ana Gomes

ecomiudos.jpg

 

 

 

Esta semana comemorou-se o Dia Mundial do Ambiente. 

A verdade é que já não é a primeira vez que este tema é assunto nesta rubrica, mas lá está, acredito que pela repetição se apreendem os hábitos! Hoje trazemos um top 5 de ideias para ajudar os mais pequenos a adquirir uma consciência ecológica. 

Se as próximas gerações forem educadas ou sensibilizadas a enraizar hábitos ecológicos nas suas rotinas... estes momentos acabarão por ser "naturais" e não um esforço. Vamos a isto? Aposto que há por aí filhos, primos, sobrinhos ou afilhados, certo?

 

 

5  - Criar um mini-ecoponto em casa.

 

Todos sabemos que as crianças adoram participar nas tarefas dos adultos. Se na generalidade dos casos acabam por não atrapalhar, neste caso podem não só ajudar como ficar entretidos. A ideia é que os comecem a habituar a entender qual das cores dos caixotes diz respeito a que material e que possam de uma forma lúdica ir ajudando com o lixo da reciclagem. 

 

4 - Não utilizar palhinhas. 

 

Este é um dos principais flagelos dos tempos modernos e é uma coisa tão simples e tão desnecessária! Mas imagem que os vossos pequenos NUNCA usam uma. Rapidamente deixará de ser tão comum. Já existem várias alternativas - bambu e inox são as mais conhecidas - caso sintam essa necessidade em algum casa. 

 

3 - Brincadeiras ao Ar Livre. 

 

A recolha de lixo - controlada e supervisionada por um adulto - pode ser uma boa actividade para praticar ao ar livre. Nomeadamente naqueles intervalos na praia em que os miúdos querem ir ao banho e ainda não podem... ou quando começam a ficar aborrecidos na tarde que planearam com os vossos amigos. O contacto com o exterior é obviamente fulcral para o desenvolvimento mas cada vez mais os programas em família passam de casa para espaços comerciais. Verdade? 

 

2 - Consumo de Energia! 

 

Provavelmente nem os "mais crescidos" têm noção que os carregadores e as fichas de electricidade consomem energia mesmo quando não estão a carregar. O ideal será optar por tomadas ou extensões que tenham o seu próprio interruptor e ensinar os miúdos a desligá-lo. É que cada vez mais os brinquedos ou os dispositivos que se utilizam carecem de baterias ou carregadores que - regra geral - estão sempre ligados. Outra ideia interessante será colocar uns auto-colantes divertidos nos interruptores da luz para que se lembrem de desligar as luzes que não são necessárias. É dos desperdicios mais fáceis de controlar e que muitas vezes - até nós - ignoramos. 

 

1 - Jogos Ecológicos. 

 

Há atitudes e formas de lidar com as crianças que rapidamente teriam algum impacto. Reutilizar brinquedos ou comprar muito menos brinquedos seria uma boa forma de os habituar a ter menos coisas... logo um comportamento de consumo mais eficaz. Acontece que nem sempre é fácil controlar estas questões, verdade? Não custa que façamos este esforço. Mas há outras brincadeiras ecológicas que podemos fazer. Utilizar algumas matérias - tipo rolos de cozinha, cartões de embalagens e por aí fora - como bases de pinturas ou para a construção de bonecos. Fazer uma "corrida" no banho, para que se habituem a gastar pouca água... ideias não faltam :) 

09
Mai18

Bebés Sem Químicos!

Ana Gomes

7964B16F-B476-467F-9EC6-878E8F70873D.jpeg

Desde que a Vitória nasceu que entendo que há muita curiosidade no que diz respeito às escolha que cada mummy faz para o seu bebé. 

A tua menina já come isto? E quando começou a comer aquilo? E as toalhitas? Usas sempre as mesmas fraldas? 

Cada vez mais me convenço que não há formulas. Não há certo nem errado. Há aquilo que cada uma de nós considera ser o melhor para o seu bebé e claro, os conselhos do médico ou profissional que escolhemos para nos aconselhar. Eu confesso que fiz coisas diferentes daquelas que o meu pediatra me disse ( desculpe Dr. Hugo eheheh ) mas fi-lo consciente de que não haveria nada de errado com isso. Por outro lado adorei a descontracção com que falámos de alimentos que eram completamente "impensáveis" para os pediatras de filhas das minhas amigas e completamente aceitáveis para ele ( e para mim ). 

Mas não é de comida que vos vou falar hoje - prometo! 

Como já expliquei - e mesmo antes dela nascer - optei pelas WaterWipes por serem toalhitas completamente livres de químicos. Água e uma percentagem residual de extracto de toranja são os "ingredientes" que se acrescentam à toalhita... e nada mais. Acredito que desta forma estou a proteger a flora natural da minha baby, ou seja, a higiene faz-se sem recorrer a químicos. Uso para a muda da fralda, para limpar a boca, para as mãos... andam sempre na carteira. Como também já tive oportunidade de dizer, não é verdade que nunca usei outra toalhita. Mas são as que tenho sempre comigo e em casa e são, sem sombra de dúvida, as que recomendo de olhinhos fechados. Acredito que menos é mais nestes casos :) E sim... também acho que águinha da torneira é que é. Mas as toalhitas são muitas vezes necessárias. 

 

Na mesma lógica de pensamento elegi as fraldas. Também é verdade que testámos várias, que experimentámos muitas marcas, mas quando conheci as MUUMI Baby acabei por ficar com esta opção preferencialmente. Vendem-se em alguns pontos de venda ( supermercados Go Natural, Well's, Jumbo e por aí fora ) e são completamente livres de químicos :) A grande vantagem é que a probabilidade de existir algum tipo de reacção alérgica ou assadura é mesmo pequenina. Por outro lado são muito mais ecológicas, têm uma embalagem completamente biodegravádel, nas fraldas não há cloros, não há perfumes... são pequenos detalhes que por vezes ignoramos mas que se formos pensar MESMO nisso fazem muita diferença. Acho que são a opção perfeita para quem não se adapta às fraldas reutilizáveis e quer optar por fraldas amigas do bebé e do ambiente. 

 

43D30CCE-4926-4951-BEB2-638F1FDD956B.jpeg

 

12
Abr18

Rubrica RFM - Top 5 - Dicas Para Utilizar Menos Plástico :

Ana Gomes

 

00e70c6fcafb78d9dbfc7486bd037fd9.jpg

 

 

 

O consumo de plástico é um dos grandes flagelos dos tempos modernos. Todas as vezes que nos deparamos com noticias sobre o impacto dos resíduos na natureza ficamos com um nó na garganta. 

Mas se por um lado este tipo de imagens ou noticias não nos está sempre a entrar "em casa" - e fica fácil esquecermos-nos de que devíamos ser um bocadinho mais cautelosos... por outro lado faltam-nos opções. Muitas vezes recorremos ao plástico sem pensar, é um comportamento normalizado, não acham? 

 

Na rubrica de hoje partilhamos convosco 5 ideias fáceis que podem ajudar a mudar a utilização de plástico no nosso dia-a-dia - e consequentemente alterar o nosso impacto na degradação do planeta :) 

 

5) Repensar a forma como guardamos a comida : 

Quantas vezes não usamos um saquinho de plástico para guardar uma sandes no frigorífico? Ou para colocar aquele resto de cebola que não se usou na salada? A opção que vos vou dar pode não ser a perfeita - já que há plástico envolvido - mas pelo menos não é imediatamente descartável. Pode ocupar um pouco mais de espaço no frigorífico mas se já existirem caixinhas de plástico lá em casa... são melhor opção! Já que são laváveis e reutilizáveis. O melhor mesmo seria usar recipientes de vidro, uma boa dica para guardarem é comprar produtos que sejam comercializados em potes de vidro e não os deitar fora! 

 

 

4) Nas compras preferir sempre os embalados em cartão : 

Já reparam que há muitos detergentes disponíveis em diferentes embalagens? Ou até mesmo as bolachas ou mercearias. Ainda que seja material descartável sempre é mais fácil a reciclagem do cartão do que do plástico.

 

3) Comprar a peso ou a granel : 

 

Há uns tempos atrás era necessário que nos tivéssemos de deslocar a lojas ou mercearias mais especificas para conseguir comprar alguns produtos a granel. Mas hoje em dia muitas superfícies comerciais têm essa secção. Comprar a granel significa muitas vezes poupar dinheiro já que podemos comprar apenas as quantidades de que necessitamos, mas também nos permitem poupar nas embalagens. A teoria vai um pouco ao "ar" quando utilizamos os famosos sacos transparentes que encontramos em rolos gigantes. A ideia seria optar pelos saquinhos de papel - que também já começam a estar disponíveis nestes lineares - e no caso das frutas ou produtos maiores utilizar o nosso próprio saco de pano que tem um peso residual! :) 

 

2) De uma forma geral evitar comprar tudo o que é descartável: 

 

Escoas de dentes descartáveis, lâminas de barbear descartáveis, todos os artigos que são embalados individualmente e até... aquelas embalagens amorosas de champô e espuma de banho dos hotéis. Utilizem estes artigos apenas e só se forem realmente necessários! Caso tenham uma embalagem desse tal champô em casa, encham com o vosso próprio champô antes da próxima viagem... e tentem ter esta postura em relação a todos os pequenos "passos em falso" que possam ter cometido quando ainda não pensavam no assunto. Porque... sejamos razoáveis : geralmente nem sequer são o melhor produto, certo? Servem precisamente para resolver uma emergência. 

 

1 ) Esqueçam as palhinhas!!

 

Um objecto que parece ser tão inofensivo tem um impacto tremendo - e negativo - no nosso meio-ambiente. São completamente dispensáveis e caso não concordem podem sempre optar pelas versões em metal ou vidro! Continuem a beber a vossa bebida preferida, claro! Mas evitem fazê-lo através de uma palhinha. Ah... e se possível reclamem sempre que um café vos for servido com uma palheta de plástico! É que a nossa posição e opinião podem efectivamente alertar os distribuidores! 

 

7f1d0563b0846f9537b90931f0876f31.jpg

 

14
Set17

Rubrica RFM - Top 5 - Dicas Para Ser Mais Ecológico.

Ana Gomes

6a129a9475c87d9718c2f44e8bfcb88b.jpg

 

 

 

 

Lembram-se quando eram mais pequenos e nos estavam sempre a ensinar na escola que devíamos fechar a torneira quando escovávamos os dentes, ou quando nos ensaboávamos? Pouco ou nada se falava de consciência ambiental, mas já nos davam dicas preciosas de como é importante preservar o meio ambiente. 

 

Ser "verde", "ecológico" ou consumir "orgânico" até pode ser uma moda... mas pelo menos é uma moda consciente que tem um bom impacto no ambiente. 

 

Na Rubrica de hoje partilho convosco um top 5 de dicas para serem mais amigos do ambiente. Tudo coisas fáceis, práticas e que podem - mesmo - fazer a diferença. 

 

5 - Consumir produtos da época e com produção local. 

 

Já pensaram que de quanto mais longe for o produto... mais impacto ambiental teve o seu transporte até nós? É este tipo de raciocinio que vale a pena exercitar e tentar olhar para a etiqueta do produtor e priveligiar os produtos que são produzidos em Portugal e em especial numa área perto da nossa área de consumo. Quanto mais próximo, menos impacto ambiental houve no seu transporte. 

 

4 - Ter sempre um saco de pano na bolsa ou no carro. 

 

As superficies comerciais tentaram educar os consumidores ao cobrar os sacos para transporte de produtos. Criaram ainda - como alternativa - uns sacos mais resistentes que podem ser utilizados várias vezes : estes são também uma opção... mas não vale comprar um cada vez que vamos às compras porque nos estamos sempre a esquecer do nosso em casa. A sugestão do saco de pano pretende ir ainda mais longe : em qualquer superficie comercial, desde o café onde vamos comprar o almoço até loja onde compramos "fast fashion" deveríamos dispensar os sacos de papel ou plástico e optar pelo nosso próprio saco. Já existem várias versões : algumas até com frases ou padrões bem divertidos. 

 

3 - Consumir de forma consciente. 

 

Em todos os aspectos! Desde a compra de comida - que pode resultar em desperdicio alimentar - importa ter uma boa dispensa de produtos "secos" e conservas e ir comprando os frescos e pereciveis à medida das nossas necessidade. O mesmo se aplica à roupa mas com outra lógica : o consumo desenfreado provoca uma sobrecarga na industria que procura responder às nossas "necessidades". 

 

2 - Dispensar os plásticos. 

 

Nas suas mais diversas formas! Muitas vezes aceitamos um copo sem necessidade ou mesmo uma palhinha - que é tão desnecessária na maioria das vezes - o plástico acaba por ser um material prático para transporte : porque é leve. Mas tem um impacto ambiental pesadissimo! Optem por utilizar garrafas reutilizaveis de vidro, por exemplo. 

 

1 - Preferir produtos orgânicos. 

 

Em todas as áreas de consumo, desde a alimentação aos tecidos que compõem a nossa roupa. Mas é também importante que o tipo de produtos de limpeza e higiene que utilizamos sejam biológicos ou amigos do ambiente. São pequenos gestos em produtos que usamos de forma repetida nas nossas rotinas e que podendo minimizar o impacto são escolhas mais apropriadas. 

 

Ah... e não se esqueçam do velho conselho de desligar a torneira entre ensaboadelas ;) 

 

864488d6b0a7bc1476cdc08491cbe326.jpg

 

14
Mai16

#Faceforgreen o movimento sustentável que quer contagiar os festivais.

Ana Gomes

 

faceforgreen.png

 

Estamos a menos de uma semana do primeiro grande festival de Verão em Portugal! Eu ADORO festivais e faço sempre os possíveis para ir. 

Consigo-me lembrar de mais de 20 coisas positivas nos festivais mas há sempre uma que me deixa "meio amarga". Já reparam na quantidade lixo que é produzido? A infinidade de plástico, a falta de cuidado... enfim! 

Este ano a Sociedade Ponto Verde iniciou um movimento por uma atitude mais sustentável, e se pratico esta filosofia no meu dia-á-dia é óbvio que gosto de a ver ampliada para o âmbito dos festivais. 

 

 

Como surge o movimento? 

 

Todos os anos Portugal recebe centenas de artistas em mais de 150 festivais espalhados pelo País. Com todas as coisas boas que os festivais nos dão, muitas vezes é esquecido o impacto ambiental que causam, como o lixo produzido, mas também as emissões de dióxido de carbono de trazer os artistas até cá e pela produção de grandes quantidades de energia para alimentar sistema de som e luzes.

 

Este ano, o objectivo é que seja dado o primeiro passo de algo diferente, para que possa haver uma mudança da parte da organização dos festivais. Milhares de pessoas vão ser convidadas a apoiar esta causa e a pintar a cara de verde nos festivais e nas redes sociais, partilhando as suas fotos através do Hashtag #faceforgreen.

 

Desafios a ter em conta para Festivais mais Verdes:

  • Reduzir o consumo de energia e aumentar a utilização de fontes de energia renováveis
  • Reutilizar os materiais das estruturas dos Festivais
  • Utilização de materiais recicláveis
  • Promover a reutilização de materiais dentro dos Festivais, combatendo o desperdício
  • Aumentar a percentagem de reciclagem e utilização de lixo orgânico para compostagem
  • Promover a utilização do transporte público, utilização de bicicleta e car-sharing para reduzir as emissões de CO2
  • Reduzir a pegada carbónica do Festival, compensando o que não puder ser evitado
  • Promover a sustentabilidade social: integração de minorias e de pessoas com necessidades especiais. Criação de mais espaços para pessoas com mobilidade reduzida.

 

Podem explorar todas estas informações e a campanha no site : http://www.faceforgreen.com/hm.html e ainda fazer upload de uma foto e testar a "tinta verde" numa aplicação dinâmica que existe dentro do site.

 

Acho mesmo importante espalhar a palavra e acima de tudo transportar esta atitude consciente para o nosso dia-a-dia. Se conseguirmos contagiar mentalidades num evento de massas estamos a dar um passo gigante, certo?! 

 

Confesso... este é o único motivo pelo qual alguma vez pintaria a cara de verde ;) 

 

 

Componente 1

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Playlist Spotify

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D