Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Melhor Amiga da Barbie

O Pós-Parto É Diferente Para Todas :

05.06.17 | Ana Gomes

IMG_0318.JPG

 

Hoje enquanto folheava umas revistas de "entretém" vi várias fotos da modelo Irinia Shayk com várias "leituras". 

 

Numa mesma foto podia ler-se algo como "Irina Shayk" impecável 2 meses após ter sido mãe" ou "Irina Shayk não esconde a sua nova silhueta ainda não totalmente recuperada depois da maternidade". Deveria ter fotografado para poder citar precisamente o que diziam, mas em todo o caso acreditem em mim, era isto que queriam dizer, e sobre as mesmas fotos! 

 

A pressão que colocamos sobre nós no pós-parto é potenciada também - e muito - por estes títulos. Convenhamos que para sonhar com um pós-parto "à Irina" seria necessário ter tido um pré-parto igualmente "à Irina" se é que me faço entender. 

Por pontos: claro que em situação alguma me veria a desfilar numa passadeira vermelha ( não é o meu perfil, ou tão pouco a minha ambição ) mas precisaria de toda uma máquina incrível para o conseguir fazer neste momento. Estou cansada, tenho olheiras profundas, o meu cabelo passa praticamente 24 horas apanhado num coque mal amanhado mas super prático, as unhas são pintadas numa corridinha antes de precisarem de dar colo, a depilação idem idem aspas aspas e a barriga está só esquisita. Nem me posso queixar muito porque saí da maternidade exactamente igual ao dia em que engravidei. Ok... minto: no dia em que engravidei - que não sei precisar - deveria conseguir andar direita, não tinha a cabeça feita em papa e é quase garantido que não tinha o corpo em retalhos. Mas pesava precisamente o mesmo!

Os dilemas com o corpo existem porque já existiam! Ainda assim sinto-me mais inchada, menos capaz e um tanto ou quanto limitada: antes disto ainda treinava todos os dias e tinha aquela sensação - meio frustrante - de que mesmo que o meu corpo não respondesse eu fazia alguma coisa. 

Para já as actividades físicas estão suspensas, não sinto qualquer efeito "milagroso" à pala da amamentação - mentira.. sinto vontade de comer chocolates e doçarias - e sinto-me sempre tão cansada que tenho a impressão que pouco ou nada posso fazer por mim. E atenção: eu sei que isto passa, eu sei que isto vai melhorar. E se não passar ou melhorar por favor mintam-me e digam-me que sim. Ou não me digam nada! 

E acima de tudo respeitem e acarinhem as recém-mamãs que tenham ao vosso lado: as hormonas são filhas da mãe. E não há nada carinhoso nesta expressão, por muito irónico que seja, atendendo ao contexto.

Não basta todo o aporte emocional que existe nesta fase e lá estamos nós a chorar sem saber porquê, a uma hora qualquer do dia : preferencialmente no banho onde ninguém vê. Confesso que no meu caso, regressar a casa depois de ter ido tirar o penso da cicatriz, e olhar-me no espelho, foi dos momentos mais difíceis que tive nos últimos anos no que diz respeito à minha relação com o meu corpo. E sim... já sei: aquela cicatriz é a marca de um amor ENORME. Mas... deixem-me viver mal com isso, ok? 

 

No babyshower ofereceram-me todo um plano pós-parto - que será feito em Lisboa e quando puder fazer outro tipo de tratamentos - que só não faço aqui porque ainda não os posso fazer. Vou reforçar a sorte que tenho: uma mãe terapeuta e com um óptimo colo que pode segurar a Vitória enquanto me entrego às mãos das meninas que trabalham com ela, isto quando consigo chegar a horas ou todos os astros se alinham para tornar isto possível. Hoje iamos saindo de casa as duas de pijama: eu e a Vi... porque parece que as horas me fogem pelas mãos quando me tento organizar. 

A semana passada fiz uma massagem de relaxamento, com a Rita, e hoje a primeira sessão de drenagem linfática manual - que considero mesmo fulcral até para trabalhar a cicatriz, quem me vai acompanhar nestas sessões será a Marisa que tem experiência neste tipo de tratamentos mais delicados. 

 

Quando a Vitória fizer um mês vou então à consulta com a obstetra e irei perceber quais os próximos passos e o que posso ou não fazer. Até lá... é ter paciência e aceitar que até ao fim da minha vida os meus dias serão dela, mas estes primeiros serão um bocadinho mais intensamente. 

 

 

 

*adoro o facto de ter ido ao google ver como se escrevia o nome da giraça. 

* estou a fazer os tratamentos aqui : Fernanda Gomes Estética e Rituais Spa. 

 

 

 

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2