Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Melhor Amiga da Barbie

Cool Nostalgia - Gira Discos GPO - Sugestão de Presente.

12.12.17 | Ana Gomes

Não sei se já partilhei isto convosco mas tenho um fascínio gigante pelos anos 60 e 70. 

Associo essa época a grandes momentos de emancipação, liberdade, expressão e muitos acontecimentos que adorava ter vivido. Estão a imaginar o ambiente louco daqueles festivais de musica? Durante anos tive o imaginário hippie como inspiração para vestuário e música e adorava os discos dos meus pais. 

Tanto que em minha casa sempre houve gira discos. Adoro aquele som arranhado dos discos a tocar e para mim é realmente diferente ouvir música assim. 

Este fim-de-semana tratei FINALMENTE de orientar significativamente o meu escritório e claro que o gira discos tinha de estar lá. Adorei aquele momento em que o tirei finalmente da caixa e o liguei mas testar se estava tudo ok! Stevie Wonder a tocar e o resto do dia correu logo melhor. 

Gira-discosGPOAttaché119euros.jpg

 

O que tenho agora foi-me oferecido e é da GPO. Acho super bonito até porque tem uma cor diferente ( um verde água forrado a vermelho ) e tem "truque" já que podem usar a vossa pen e inclusive gravar os discos directamente para o dispositivo USB.

Esta marca britânica tem vários modelos que são ao mesmo tempo nostálgicos e cool e acho que são uma excelente ideia de presente! :) Foi o que pedi no Natal passado ehehe. Existem outros modelos mas este é giro, funcional - tem as colunas integradas - e prático : fechado fica tipo mala e podemos sempre levar para casa de amigos ou ir trocando de divisão. Cá em casa somos tão apaixonados por Vinyl que temos outro leitor na sala... a questão da portabilidade não se aplica à nossa pequena casa ahaha.

 

E vocês? Gostam da ideia? Ainda têm discos para ouvir? Deixo-vos esta dica como sugestão de presente e alguns locais onde o podem encontrar : 

 

 

GPO à venda na Embaixada do Porto, no Porto e na loja Capitão Lisboa, em Lisboa. Pode ser encomendado online neste endereço : 
Custo deste modelo : 119 euros. 

Marhla - Orgulhosamente Portuguesas.

11.12.17 | Ana Gomes

8.jpg

Não é a primeira vez- e podem crer que não vai ser a ultima - que vos falo da Mahrla aqui no blog. 

Claro que neste momento já é difícil manter um grande distanciamento mas a minha opinião é clara : tenho imenso orgulho em poder ver esta marca crescer. E cada vez a vejo a crescer mais de perto ou não fosse a Sílvia - a pessoa por trás da marca - alguém que tem vindo a fazer cada vez mais parte da minha vida. 

Primeiro adoro a capacidade e a força de vontade que transforma uma ideia e um projecto em algo concreto e completamente concebido em Portugal. Depois acho que as peças são mesmo muito giras e acrescentam alguma coisa aos nossos guarda-roupas. Porquê? Porque têm qualidade, são muito confortáveis e se adaptam a vários momentos da nossa vida. 

Por exemplo : os vestidos pretos da Mahrla são os modelos que tenho sempre prontos para me resolverem algum problema. Se preciso de estar bem e ao mesmo tempo mega confortável nunca penso mais. 

Este ano a colecção tem um casaco em duas cores ( vermelho ou branco ) e senti que seria mesmo uma peça forte que podia acrescentar vida a looks mais simples - adoro o detalhe das mangas e é isso que faz uma grande diferença. Escolhi o branco... e no último mercado que fizemos juntas vesti o vermelho e fiquei completamente rendida. Ou seja : suspeitas confirmadas, funcionava exactamente como tinha imaginado.

Outra coisa espectacular é o facto de todas as peças serem tamanho único! Adaptam-se super bem aos vários tipo de corpo e podemos - como já referi - adaptá-las a várias situações. 

A Mahrla lançou ontem a sua loja online e podem espreitar tudo neste link. 

Lá podem ver todas as imagens desta Harbor Colection! 

 

Facebook | mahrla

Instagram | @_mahrla_

1.jpg

 

2.jpg

 

 

 

11.jpg

 

 

 

Dos Dias.

10.12.17 | Ana Gomes

DAD3CEB0-49F0-4894-9470-526F1E090A45.jpeg

 

A semana passada fomos comprar a nossa árvore de Natal - um Pinheiro Bombeiro - chegámos tarde a casa, ajustámo-nos à logística do nosso particular pinheiro ( carequinha e pouco firme ), fizemos os possíveis pela decoração e pusemos clássicos de Natal a soar na coluna.

Eu adoro ficar no escuro com as luzes da árvore, e foi isso que fiz, vela acessa, luzinhas pequeninas, um chá e umas papas de aveia. Aninhei-me no sofá  e tive um daqueles momentos maravilhosos em que parece que está tudo alinhado. Uma sensação de conforto, um abraço quentinho que a vida nos dá e que nos faz saber que pelo menos - naquele instante - está tudo certo. 

 

Naturalmente que não podemos forçar as situações, nem podemos inventar estes momentos. Mas de facto o segredo está nas                                                                                     pequenas coisas, em saber valoriza-las e perceber que não são precisas grandes orquestrações da vida para que nos possamos sentir plenos.

 

Antes de mais uma semana pela frente, fechem os olhos, respirem fundo e agradeçam a vida... e á vida :) 

 

 

#HoraDoNatal - uma iniciativa solidária.

08.12.17 | Ana Gomes

638F6804-78B9-4F48-BF3D-3CEFA1F48F4E.jpeg

 

B5FCADC1-C051-4A72-A409-9450C67855CE.jpeg

 

 

No final da semana passada partilhei um vídeo no Facebook e no Instagram em que vos falei da #HoraDoNatal

 

A mensagem que tentei passar foi a de que o Natal é uma época tendencialmente solidária... mas estando nós tão embrenhados no stress e na agenda do dia-a-dia acabamos por nos "esquecer" ou não ter um bocadinho do nosso tempo para parar e fazer alguma coisa boa. As boas acções não passam necessariamente por fazer um investimento. Podem ser coisas tão simples como responder "aquelas" mensagens, ir finalmente beber um café com os amigos de sempre, ou abraçar uma causa que necessite do nosso tempo ou de algum donativo. 

 

Limiano desafiou-me a reflectir um pouco e eu decidi dedicar a minha #HoraDoNatal a uma associação que acolhe animais de rua ou abandonados. Como sabem adoro animais e para além do Vulcão tenho duas cadelas rafeiras que estavam abandonadas e respeito e valorizo muito o trabalho destas associações. E eu desafiei-vos a pensar em alguma coisa e dedicar a vossa #HoraDoNatal a alguma acção que possa ter um impacto positivo na vida de alguém ou de uma comunidade. 

 

Nesta época do Natal vivemos numa agenda super cheia, com compromissos e "afazeres". Queremos que tudo seja perfeito e corra como previsto. Mas o Natal não tem de ser perfeito para ser especial - é isso que defende a Limiano, que lançou este projecto de responsabilidade social. No caso a Limiano irá dedicar uma hora de produção da sua fábrica para doar queijo (o melhor que Limiano sabe fazer) a famílias carenciadas - através de várias instituições de norte a sul do país. 

 

Podem saber mais informações sobre este projecto neste link http://limiano.pt/ ou na página oficial do Facebook Limiano.

 

Considero que as boas acções não necessitam de ser tornadas publicas para serem validadas ( como é óbvio ) mas compreendo que a partilha pode inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo. Pensem e partilhem nas vossas redes sociais com a hashtag #HORADONATAL o que poderiam fazer para melhorar a vida de alguém e façam dessa a vossa missão este Natal.

 

 

Post escrito em parceria com a Limiano. 

 

A Lisboa cada dia mais bonita - Benamôr.

07.12.17 | Ana Gomes

9031BD11-2CF8-4C62-8C50-37F3D4A36C72.jpeg

Lisboa está incrível.

Correcção - Lisboa sempre foi incrível.  Mas a verdade é que se tem sabido elevar e aproveitar esta vaga de turismo. Pôs-se - ainda - mais bonita. Um banho de frescura, novos adornos, orgulho nas zonas antigas e muitos sítios giros para visitar. 

Eu amo Lisboa. Sou daquelas alfacinhas que se comovem ao ver o rio. Que sente falta dos sítios de sempre, que quer ir comer castanhas no Baixa e beber um café à pastelaria do bairro. Gosto do barulho do eléctrico, gosto do amolador, gosto das velhotas  às janelas e - ao contrário do que seria de esperar - até gosto da vaga de turismo. É como se de repente a minha casa estivesse cheia de gente! E todos sabemos o que acontece quando recebemos alguém em casa : escolhemos o melhor vinho, damos uma arrumadela, acendemos umas velas e queremos que esteja tudo perfeito. 

É um bocadinho assim que vejo Lisboa nos últimos tempos. Tem pontos negativos? Com toda a certeza. Mas quero-me focar nos positivos! 

 

Acho que as obras do Terreiro do Paço ficaram um sonho. Um gigante postal de prata que faz com que aquela praça monumental desagúe no Tejo mais bonito do mundo. 

 

E é no reabilitado Campo Das Cebolas que a Benamor - marca portuguesa que nasceu no Campo Grande - abriu a sua loja em nome próprio. Tão bonita, tão delicada e tão cheirosa. É mesmo paragem obrigatória. Vale a pena a visita - pela beleza do espaço e pela qualidade intemporal dos produtos - mas também pelas colaborações que terão continuamente com outras marcas nacionais. 

 

7C9C15FF-34A6-445C-8559-BE3CB62342F5.jpeg

 

4298E9DD-EE64-4005-A1D3-058A34C0398B.jpeg

 

3AAFD7EE-6B74-4335-B4C7-1CB65C384DA7.jpeg

 

9F707757-B212-43AE-9548-0671C2A88514.jpeg

 

 

 

1C461662-C46C-485B-BBB8-67FDFD9464C2.jpeg

 

 
Benamôr 
Rua dos Bacalhoeiros, 20A
Lisboa
@benamor1925
 
21 800 3037

Um Mês de Cada Vez - Crónica MITOSYL 5 e 6 Meses.

05.12.17 | Ana Gomes

3DDE8824-4DF2-4CA4-ABF4-12E3C8D5E34D.jpeg

 

E num voo passámos os 5 e os 6 meses. A minha bebé já tem meio ano ( uau ) e é um poço de simpatia. 

 

Sou uma mãe ultra babada porque adoro esta característica da Vitória : ri muito, presta muita atenção às pessoas e tem uns olhinhos doces que nos derretem em mil beijos e abracinhos. 

 

Estamos - aos poucos - a tentar encontrar o melhor equilíbrio entre as necessidades de todos. Já sabem que sou aquela chata que acha que todos precisamos dos nossos ritmos e dos nossos tempos. A Vi é a nossa prioridade - o conforto e o bem-estar dela sempre em primeiro lugar - mas... eu também tenho de trabalhar, tenho de encontrar um tempinho para as minhas coisas e não devo - nem posso - sentir-me mal por ter essa necessidade. 

Faço uma ginástica diária para coordenar horários e compromissos e quando é mesmo necessário desmarcar... desmarca-se. Certo?  Claro que esta é a atitude lógica e é o passo que costumo dar... mas às vezes bamboleio até parar aquele sentimento esquisito aqui dentro que me diz : está tudo certo, e mesmo que as pessoas não compreendam, ou que seja mesmo chato desmarcar alguma coisa em cima da hora... esta é a atitude correcta. 

 

Será justo partilhar que os meus principais receios foram resolvidos sem dramas : a Vi adora comer e ... adora a escola. Entrego-a de olhos fechados porque todos os dias vejo o carinho com que tratam todos os bebés, as actividades... os momentos de mimo. Por brincadeira até costumamos dizer que a estragaram na escola porque agora exige atenção! A Gena, a Rita e a Bela são 3 pessoas incriveis que arrancam sorrisos malandros à minha boneca. Adora brincar, entretém-se com tudo , gosta de conversa e nem queiram saber como reage a certas musicas! Dança e ri às gargalhadas - numa descoordenação tão doce que nos faz dançar e rir com ela. Já se tenta sentar e nem vos passa pela cabeça a quantidade de vezes que por estar mais irritada ou por enfiar as mãos na boca ouço ou dou por mim a dizer : são dentes. Mas não há sinais deles! E tenho dificuldade em eleger o melhor momento do nosso dia mas vou arriscar dizer que é o banho, onde se delicia com os patinhos na água... depois uma massagem e muitas gargalhadas - usamos o Tri-Active da Mitosyl - e finalmente um pijama quentinho, o leite e miminho no colo. 

 

Ver a Vitória a brincar traz-me muitas vezes à terra. É capaz de ficar maravilhada com objectos tão comuns como a xuxa com que anda todos os dias. E eu ponho-me a pensar que nós - os mais crescidos - estamos sempre à procura de novos estimulos e novos "objectos". E o sorriso com que acorda todos os dias? É uma felicidade ver-nos, receber um dia novo, começar a brincar, o colinho... os beijinhos! Quantos de nós acordamos assim? Sorridentes e gratos por ver que à nossa volta tudo continua a acontecer? 

 

Nestes meses tenho tido os meus altos e baixos. Há momentos em que o fluir natural das coisas atrapalha os planos que tinha para mim, as coisas que preciso de fazer. Muitas vezes os horários são uma condicionante e sinto a frustração. Apesar de me sentir mais adaptada ( ou direi... conformada? ) há dias em que preciso de um STOP. De respirar fundo. Há uma semana cheguei a casa - depois de um dia normal - e tudo o que queria era deitar-me no sofá e não pensar em nada. Claro que a Vitória chorava porque queria brincar, ou reclamava porque tinha fome, havia o banho, a massagem, o miminho... e eu a ficar cada vez menos disponivel... ela cada vez mais ansiosa. Uma pequena bola de neve. A dada altura já era eu que precisava de chorar e adivinhem? Não tinha tempo. É nestes momentos que é importante ter uma rede, um porto seguro que nos permita dizer "pega nela 10 minutos" e arranjamos força para nos restabelecer, para respirar fundo para um colo mais musculado. 

 

Horas de sono em défice, muitos livros por terminar e sessões de cinema adiadas. Uma bebé espectacular!