Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Melhor Amiga da Barbie

01
Nov17

Um Mês de Cada Vez - Crónica MITOSYL 4.

Ana Gomes

19BB14DA-51AF-47BA-A5A3-D7BAD967E988.jpeg

 

Escrevo este post enquanto a Vi dorme na espreguiçadeira. 

Num dia normal já a tinha deitado na alcofa... mas passou o dia a tossir. 

Caramba. O sufoco de ter um bebé adoentado é avassalador. Os 4 meses começaram assim: nariz entupido, expectoração muita tosse. O meu coração mudou de tamanho e passei umas três noites a olhar para ela. Hoje é a tosse que me apoquenta e fico de vigia. 

Ela é super rija. Como é que um ser que nasceu tão pequenino e aparentemente tão indefeso se tornou numa espertalhaça. 

 

Os 4 meses representaram dois momentos de transição enorme na vida dela - e naturalmente na minha - a diversificação alimentar e a entrada no berçário. Estava aterrada com qualquer uma delas... e claro que quem teve de aprender fui eu! Quando lhe ofereci sopa e fruta aceitou como se tivesse comido a vida toda. E o berçário? Fica na maior. Na maior!!! Estou super feliz com a escola, as educadoras e auxiliares são um amor e muito prestáveis o que facilita - e muito - todo o processo. A Vi quase salta do meu colo para o delas quando entramos na escola e eu balanço entre um ciuminho e um orgulho desmedido por ter uma bebe tão querida e simpática. 

 

Desde que soube que estava gravida que disse que ela iria para a escola na primeira oportunidade. E sim : precisava desesperadamente de algum tempo para fazer as minhas coisas com mais concentração. Mas........ quem vai para casa todos os dias ( e já passou um mês ) com um friozinho na barriga sou eu. E claro que é maravilhoso recuperar algum tempo para mim - seria hipócrita fingir que é tudo complicado - mas passo o dia a pensar nela naturalmente. 

 

No final do mês passado achei que os dentinhos nos estavam a fazer uma visita: andava irritada, instável, a querer roer tudo e a fazer chorinho o dia todo... mas o Pediatra tirou/nos dai o sentido apesar de eu já andar com o balsamo primeiros dentes da Mitosyl na carteira.... just in case. 

 

Aiiiii e o que ela cresceu neste mês! Em tamanho - esta enorme - e na interactividade. Já brinca imenso, ri para as pessoas, palra, faz bolhinhas, gosta de ouvir musica, segue-me para todo o lado. É tão, mas tãããão diferente! 

 

Há uma coisa engraçada que me continua a acontecer. Acontece-me varias vezes achar que isto tudo não passa de um sonho. Não estou a romantizar a ideia. Acho - mesmo - que vou acordar e isto não passou de uma ilusão. E isto acontece-me desde que sai da maternidade... recorrentemente. A verdade é que apesar de tudo na minha vida ter mudado radicalmente... já não saberia bem o que fazer sem este Amor. 

 

Minha Vi pequenina, minha maior companheira, minha forca inesgotável. A mama descobriu que a vida é muito mais doce, simples e importante desde que tu nasceste. És a minha maior lição. A mamã Ama-te... e nem sabia que era isto o amor. 

25
Ago17

Um mês de cada vez - Powered by Mitosyl - 2.

Ana Gomes

IMG_3176.JPG

 

IMG_3425.JPG

 

A quantidade de emoções que a maternidade nos traz são inqualificáveis.

E acho que é importante esclarecer que é normal nem tudo ser um mar de rosas. Decidi começar esta crónica precisamente por este sentimento porque começo a entender que é o que mais se fala. Senti isso desde o início - no momento em que soube que estava grávida - e em que dizer que para mim era um facto complicadíssimo encaixar na minha vida foi recebido com muitos "vais-te arrepender do que estás a dizer".

A sensação de ter um bebé, de ter uma vida nos braços é indescritível. A vida a acontecer, os momentos de paixão, a ternura e aquela aura de amor são em tudo maravilhosos e incomparáveis. Mas nos últimos tempos já dei por mim a ter verdadeiros momentos de desespero em que penso: em que é que se transformou a minha vida?

Para já a minha vida é este ser pequenino que sorri na mesma proporção em que chora - o que lá vai equilibrando a balança. A sério... um sorriso de um bebé é o melhor antidepressivo desta vida. Sempre achei estranho as mulheres que se anulavam com a maternidade, mas hoje sei que isso é mais uma consequência do que uma escolha ou um desleixo.

Houve dias - e estou certa de que muito mais estarão por vir - em que me perguntam o que se passa comigo e respondo: nada. Sendo que este nada é o pior que me podia estar a acontecer naquele momento. São dias em que não acontece absolutamente nada. Fico nos mesmos m2 durante horas a fio, muitas vezes de pijama, a sentir a vida a acontecer lá fora. Acabou a liberdade de sair de casa a qualquer momento, de ir ao ginásio a qualquer hora, de decidir por mim, já para não falar em cinema, férias ou viagens. Eu sabia - desde o inicio - que esse iria ser o meu maior obstáculo e confesso que está a ser uma parede difícil de escalar. Por outro lado, dou saltos muito altos quando, por exemplo, vamos as duas no carro e consigo sorrir e sentir uma felicidade tremenda quando percebo que nunca mais estarei sozinha. Um filho é - indiscutivelmente - um ótimo propósito para quem precisa de uma motivação.

 

E convenhamos: a Vitória é uma bebé incrível. Tem-me dado noites maravilhosas (primeiro com um relógio de precisão suíço que acordava de 2h em 2h horas e ultimamente com períodos bem longos que podem ir da meia noite às seis da manhã). Se começou com sorrisos tímidos o evoluir dos dois meses brindou-nos com sorrisos rasgados e uma interacção inacreditável. Gosta de ouvir música - e tenho ouvido mais música clássica do que nunca - mas também temos os nossos momentos de Girl Power com Beyoncé e afins! Continua a amar os seus banhos na Shantala (a banheira que parece um baldinho e imita o ambiente do útero) e os nossos momentos de massagem - uso a gama Tri-Active da Mitosyl no corpo e no rosto. Derrete-se com as longas conversas que o meu pai tem com ela e estica o corpo quando vê a minha mãe (sabe bem quem a acalma sempre com um colinho delicioso). Acho que os avós são a melhor coisa que uma criança pode ter. Para além da paciência que parece infinita são uma ótima forma de dar alguma liberdade aos pais. Aproveitem bem esses avós!!! 

 

Amo vê-la a crescer mas não deixo de ficar de coração apertadito quando vejo a roupa que lhe deixa de servir: é mesmo verdade - é tudo um instante! Repito demasiadas vezes por dia “a Mãe está aqui" sabendo que só a conforta quando realmente apareço e me vê ou sente e caramba... beijo infinitamente aquela cabecinha sempre morninha e as bochechas frescas. Toda a gente garante que estes primeiros meses são os mais complicados ... mas não dá para negar que o amor que se recebe destes seres pequeninos compensa cada momento de desespero. Afinal de contas a maternidade é uma montanha russa, isso ninguém nos escondeu!  

 

 

Sobre a Mitosyl®: 

Mitosyl® é uma gama especialmente concebida para dar resposta às necessidades do bebé, passo a passo, e é uma marca de confiança dos pais no momento de proteger a pele dos seus bebés.

12
Jul17

Um Mês de Cada Vez - Powered by Mitosyl.

Ana Gomes

IMG_2368.JPG

  ( texto escrito a 18 de Junho 2017 ). 

 

Já perdi a conta à quantidade de vezes que comecei a escrever este texto. 

Fui sempre interrompida por um pensamento, por uma memória ou por uma prioridade chamada Vitória. 

 

Caramba... já passou um mês! A minha pequenita já tem um mês. E não há clichês suficientes para descrever todos os momentos. É uma verdade universal : o tempo passa a correr. Principalmente este primeiro mês que é uma espécie de bolha transparente onde há muito medo, muito amor, muita ansiedade e muito mimo. 

 

Nunca pensei que escrever sobre este período fosse assim tão complicado. De repente toda a noção de tempo, rotina ou urgência se transforma. E a realidade é que, como muita gente me disse, já nem me lembro do tempo que passei internada ou em repouso absoluto : ou seja, lembro-me se usar algum tempo a pensar nisso. O que senti naquela altura é apenas uma memória. Assim sendo:  aproveito para dar força a todas as pessoas que possam estar nessa situação... o famoso "cérebro de grávida" parece que se agrava com o nascimento de uma criança e esquecemo-nos de IMENSA coisa.

 

Mas... vamos lá! Depois de todo o turbilhão que foi o dia do parto os dias atropelaram-se. No hospital fui lutando contra o desconforto do pós-operatório de uma cesariana e aprendendo a tomar conta da minha bebé. Sabe o que dizem do instinto? É em parte muito verdade e acaba por funcionar para quase tudo. Penso que tinha mudado duas fraldas a vida toda e fazê-lo parece a coisa mais inata do mundo, fralda nova pronta, compressas com àgua, creme muda-fraldas e em 2 minutos a rotina está completa. O colo, o carinho, o aconchego... vamos aprendendo as duas o que funciona melhor connosco. O mais engraçado? Olhar para ela e realizar que aquele ser começou por ser um pontinho a piscar numa ecografia e que tinha evoluído desta forma... mais... tinha cabido assim dentro da minha barriga. Tudo isto pode soar ridículo mas a realização deste momento é pura magia.

 

Pelo meio houve a visita do Papa, um Benfica Campeão e o Salvador Sobral a vencer a Eurovisão. Saí do hospital "fresca e fofa" e a Amar pelos Dois eheh. Depois de uma viagem de carro bastante dolorosa ( muitas lombas e ressaltos que em nada combinam com uma cicatriz fresquinha ) cheguei a casa dos meus pais. Na bagagem trazia mais duas coisas : a minha menina e uma catrefada de hormonas prontas para me levarem para um canto e se transformarem em lágrimas de "terror". 

A ajuda nestes primeiros tempos é fulcral! Não ter de me preocupar com as minhas refeições ou com a lida da casa foi meio caminho andado para tentar recuperar parte da minha vida. 

E sublinho: todos os dias uma nova aprendizagem. 

Dizem que o primeiro mês é o mais complicado. Não posso assegurar isso. Penso que entrámos rapidamente num bom entendimento. Os primeiros tempos foram duros : a Vitória não aumentava de peso e as constantes visitas à neonatologia foram muito stressantes e cansativas, cada nova visita representava uma nova estratégia de alimentação e rotinas. E na balança não se registavam aumentos. Até que as coisas acabaram por funcionar. Cada grama era uma batalha ganha e temos ganho boas e deliciosas batalhas nas últimas semanas :) 

 

A gravidez também me ensinou que nem sempre a nossa vontade ou aquilo que temos idealizado se concretiza. Aconteceu isso com o parto e com a amamentação. Neste momento cumpre-se um plano de aleitamento materno e suplemento. Uma pequena derrota para mim... mas que se esquece quando vemos que tudo está bem e que ela está a crescer. Sei que até hoje não desisti de dar maminha muito por culpa da enfermeira Célia que me acompanhou nas aulas de preparação para o parto. Utilizo muitas das coisas que aprendi lá, e uma troca de mensagens na primeira semana ajudou-me muito a não desmotivar. E numa das idas à neonatologia para pesar a pequerrucha acabei por ir pedir ajuda à enfermeira Lurdes ( que foi incansável no meu primeiro internamento ) e que me ajudou também nesta "luta" pela amamentação. O curso pré-parto também me ajudou a lidar com naturalidade com várias coisas que aconteceram na maternidade. 

Sabem a sensação com que fico? O nascimento de uma criança é uma coisa tão normal - especialmente para estes profissionais de saúde que lidam com vários nascimentos por dia - que fica muita coisa por ensinar e por explicar. Foi nesse momento que aprendi a valorizar - ainda mais - o curso que fiz. 

 

Já em casa ainda não se viveram dois dias iguais. Tentamos criar algumas rotinas, sendo que a mais estável é mesmo a do banho. E ela - que detestava o banho nos primeiros dias - passou a adorar este momento desde que começámos a usar a shantala! Águinha bem temperada, o quarto todo pronto, damos o banhinho tentando que ela aproveite o relaxamento e seguimos para uma sessão de massagens com o Creme de Corpo Mitosyl Tri-Active. Depois vem o leitinho :) Optei pelo banho antes de jantar para depois podermos aproveitar esse momento com mais calma ( e com ela já a descansar ) .  

 

De resto é impressionante como todos os dias se nota alguma evolução e crescimento! E há um misto de alegria e "pena" quando as roupinhas deixam de servir.

 

E querem saber um segredo? Não sei quem precisa mais de colinho. Se ela do meu ou eu do dela. 

 

 

 

Sobre a Mitosyl®: 

Mitosyl® é uma gama especialmente concebida para dar resposta às necessidades do bebé, passo a passo, e é uma marca de confiança dos pais no momento de proteger a pele dos seus bebés.

PUB

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Playlist Spotify

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D