Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Melhor Amiga da Barbie

26
Dez17

Um mês de Cada Vez - Crónica MITOSYL - Esta perfeição e uma mensagem para todas as mães.

Ana Gomes

<p

132992EB-5859-46AE-AAB0-0B291D86F536.jpeg

 

>Acabei de adormecer a Vitória. 

Adormeceu a sorrir comigo a fazer-lhe festinhas na cabeça. 

A minha filha é perfeita e não a podia ter sonhado melhor do que ela é. 

 

A primeira vez que estive longe dela desde que nasceu deixei um caderno no meu quarto com isto mesmo escrito "Amo-te Meu Amor. Não te podia ter sonhado mais perfeita". Eu... que sempre tive medo da vida e nunca do seu oposto... temi que no momento em que me afastasse dela algo me pudesse acontecer e não lhe pudesse dizer aquilo que precisava que ela soubesse sempre. Fui o caminho todo a tremer e enviei uma mensagem a uma das melhores amigas e fiz-lhe prometer que se me acontecesse alguma coisa ela faria a Vitória sentir isto mesmo: que eu não a podia ter sonhado mais perfeita. 

 

Há dias... momentos únicos, deliciosos que fazem o coração transbordar. Um sentimento que é maior que Amor. Que nos deixa com a barriga gelada, o corpo a ferver e uma vontade absurda de engolir o nosso bebé tal é a complexidade daquela felicidade louca. 

Há dias... momentos difíceis, duros. Em que o cansaço toma conta de nós. São muitos meses sem dormir uma noite inteira, sem saber pensar primeiro em nós, com um choro que nos entra pela ouvido e um desespero que acampa em nós e nos faz quase gritar que não sabemos mais o que fazer ou pensar. O que se passa? Porque não paras de chorar? O que foi? 

 

A maternidade é dos processos mais complexos pelo qual a vida nos faz passar. É avassalador porque nos esmaga e ao mesmo tempo gigante porque nos mostra que somos capazes de muito mais: física e emocionalmente. Os bebés precisam de colo... mas acreditem que as mães também! 

 

E não me canso de dizer que não há clichés suficientes para descrever isto tudo. Hoje sentei-me a pensar que há coisas que gostaria de ter sabido. Palavras que gostava que me tivessem dito. E decidi escrevê-las para quem precisar de as ler... e acima de tudo para não me esquecer disto. 

 

- Aproveita a gravidez. Namora a barriga, o teu corpo, namora também o bebé que cresce dentro de ti e aprecia cada momento e a magia que te está a acontecer. 

 

- Cria memórias: momentos felizes onde planeaste e sonhaste uma vida com o teu bebé. Deixa que te mimem, aceita todos os carinhos, cedências, palavras de conforto e acima de tudo toda a ajuda.

 

- Não sejas demasiado dura contigo própria. A gravidez é uma fase muito particular na tua vida. Nem tudo é culpa das hormonas mas acredita, há muitas coisas que são. Se as lágrimas caírem... logo retocas a maquilhagem. 

 

- Não ponhas a tua vida em stand by pela gravidez. Podem ser necessárias adaptações... podes ter algumas privações... mas procura um estilo de vida com o qual te sintas bem. O bebé é muito importante mas o teu bem estar é mais de meio caminho andando para que tudo possa fluir naturalmente. 

 

- Confia na Mãe Natureza. Se sentes que tens de abrandar ou parar faz isso mesmo. Há dias em que tudo o que vais querer é ficar em casa. Fica :) É o teu ninho e tudo faz sentido.

 

- Quando o teu bebé nascer confia no teu instinto. No final saberás sempre o que é melhor para ele. Ainda que toda a gente te possa dar um conselho ou tenha uma opinião a dar... tu saberás o que fazer.

 

- Não cries demasiadas expectativas ou verdades absolutas. Todas as experiências são novas e diferentes. Todos os dias são diferentes e as rotinas demoram a estabelecer-se. Nunca digas nunca... nem sempre. Aprende a ser flexível e a gerir cada dia - ou cada hora - como merece ser gerida.

 

- Aprende a dizer não. Diz não às visitas que não queres receber, diz que não fazes, que não consegues, que precisas de outro apoio ou de uma ajuda extra. Um par de mãos nunca é demais quando um novo ser vem ao mundo. E nem sempre tem de ser para o agarrar. Pode pura e simplesmente ser para nos dar mais tempo para aquele namoro bom. 

 

- Respeita-te. As tuas vontades, os teus ritmos, as tuas necessidades. Demora tempo no banho, marca uma massagem, aprende a gerir a vida também contigo. Uma mãe feliz é um bebé feliz. 

 

- Respira fundo. Se a amamentação não corre bem, se o bebé acaba a dormir na cama contigo... se hoje tens de lhe dar fruta do boião. Mesmo que tenhas jurado a ti mesma que nada disto iria acontecer. 

 

- Aproveita todos os momentos. Vive o vosso crescimento. Quando nasce um bebé nasce uma mãe e vais descobrir que és uma pessoa ainda mais incrível! 

05
Dez17

Um Mês de Cada Vez - Crónica MITOSYL 5 e 6 Meses.

Ana Gomes

3DDE8824-4DF2-4CA4-ABF4-12E3C8D5E34D.jpeg

 

E num voo passámos os 5 e os 6 meses. A minha bebé já tem meio ano ( uau ) e é um poço de simpatia. 

 

Sou uma mãe ultra babada porque adoro esta característica da Vitória : ri muito, presta muita atenção às pessoas e tem uns olhinhos doces que nos derretem em mil beijos e abracinhos. 

 

Estamos - aos poucos - a tentar encontrar o melhor equilíbrio entre as necessidades de todos. Já sabem que sou aquela chata que acha que todos precisamos dos nossos ritmos e dos nossos tempos. A Vi é a nossa prioridade - o conforto e o bem-estar dela sempre em primeiro lugar - mas... eu também tenho de trabalhar, tenho de encontrar um tempinho para as minhas coisas e não devo - nem posso - sentir-me mal por ter essa necessidade. 

Faço uma ginástica diária para coordenar horários e compromissos e quando é mesmo necessário desmarcar... desmarca-se. Certo?  Claro que esta é a atitude lógica e é o passo que costumo dar... mas às vezes bamboleio até parar aquele sentimento esquisito aqui dentro que me diz : está tudo certo, e mesmo que as pessoas não compreendam, ou que seja mesmo chato desmarcar alguma coisa em cima da hora... esta é a atitude correcta. 

 

Será justo partilhar que os meus principais receios foram resolvidos sem dramas : a Vi adora comer e ... adora a escola. Entrego-a de olhos fechados porque todos os dias vejo o carinho com que tratam todos os bebés, as actividades... os momentos de mimo. Por brincadeira até costumamos dizer que a estragaram na escola porque agora exige atenção! A Gena, a Rita e a Bela são 3 pessoas incriveis que arrancam sorrisos malandros à minha boneca. Adora brincar, entretém-se com tudo , gosta de conversa e nem queiram saber como reage a certas musicas! Dança e ri às gargalhadas - numa descoordenação tão doce que nos faz dançar e rir com ela. Já se tenta sentar e nem vos passa pela cabeça a quantidade de vezes que por estar mais irritada ou por enfiar as mãos na boca ouço ou dou por mim a dizer : são dentes. Mas não há sinais deles! E tenho dificuldade em eleger o melhor momento do nosso dia mas vou arriscar dizer que é o banho, onde se delicia com os patinhos na água... depois uma massagem e muitas gargalhadas - usamos o Tri-Active da Mitosyl - e finalmente um pijama quentinho, o leite e miminho no colo. 

 

Ver a Vitória a brincar traz-me muitas vezes à terra. É capaz de ficar maravilhada com objectos tão comuns como a xuxa com que anda todos os dias. E eu ponho-me a pensar que nós - os mais crescidos - estamos sempre à procura de novos estimulos e novos "objectos". E o sorriso com que acorda todos os dias? É uma felicidade ver-nos, receber um dia novo, começar a brincar, o colinho... os beijinhos! Quantos de nós acordamos assim? Sorridentes e gratos por ver que à nossa volta tudo continua a acontecer? 

 

Nestes meses tenho tido os meus altos e baixos. Há momentos em que o fluir natural das coisas atrapalha os planos que tinha para mim, as coisas que preciso de fazer. Muitas vezes os horários são uma condicionante e sinto a frustração. Apesar de me sentir mais adaptada ( ou direi... conformada? ) há dias em que preciso de um STOP. De respirar fundo. Há uma semana cheguei a casa - depois de um dia normal - e tudo o que queria era deitar-me no sofá e não pensar em nada. Claro que a Vitória chorava porque queria brincar, ou reclamava porque tinha fome, havia o banho, a massagem, o miminho... e eu a ficar cada vez menos disponivel... ela cada vez mais ansiosa. Uma pequena bola de neve. A dada altura já era eu que precisava de chorar e adivinhem? Não tinha tempo. É nestes momentos que é importante ter uma rede, um porto seguro que nos permita dizer "pega nela 10 minutos" e arranjamos força para nos restabelecer, para respirar fundo para um colo mais musculado. 

 

Horas de sono em défice, muitos livros por terminar e sessões de cinema adiadas. Uma bebé espectacular! 

01
Nov17

Um Mês de Cada Vez - Crónica MITOSYL 4.

Ana Gomes

19BB14DA-51AF-47BA-A5A3-D7BAD967E988.jpeg

 

Escrevo este post enquanto a Vi dorme na espreguiçadeira. 

Num dia normal já a tinha deitado na alcofa... mas passou o dia a tossir. 

Caramba. O sufoco de ter um bebé adoentado é avassalador. Os 4 meses começaram assim: nariz entupido, expectoração muita tosse. O meu coração mudou de tamanho e passei umas três noites a olhar para ela. Hoje é a tosse que me apoquenta e fico de vigia. 

Ela é super rija. Como é que um ser que nasceu tão pequenino e aparentemente tão indefeso se tornou numa espertalhaça. 

 

Os 4 meses representaram dois momentos de transição enorme na vida dela - e naturalmente na minha - a diversificação alimentar e a entrada no berçário. Estava aterrada com qualquer uma delas... e claro que quem teve de aprender fui eu! Quando lhe ofereci sopa e fruta aceitou como se tivesse comido a vida toda. E o berçário? Fica na maior. Na maior!!! Estou super feliz com a escola, as educadoras e auxiliares são um amor e muito prestáveis o que facilita - e muito - todo o processo. A Vi quase salta do meu colo para o delas quando entramos na escola e eu balanço entre um ciuminho e um orgulho desmedido por ter uma bebe tão querida e simpática. 

 

Desde que soube que estava gravida que disse que ela iria para a escola na primeira oportunidade. E sim : precisava desesperadamente de algum tempo para fazer as minhas coisas com mais concentração. Mas........ quem vai para casa todos os dias ( e já passou um mês ) com um friozinho na barriga sou eu. E claro que é maravilhoso recuperar algum tempo para mim - seria hipócrita fingir que é tudo complicado - mas passo o dia a pensar nela naturalmente. 

 

No final do mês passado achei que os dentinhos nos estavam a fazer uma visita: andava irritada, instável, a querer roer tudo e a fazer chorinho o dia todo... mas o Pediatra tirou/nos dai o sentido apesar de eu já andar com o balsamo primeiros dentes da Mitosyl na carteira.... just in case. 

 

Aiiiii e o que ela cresceu neste mês! Em tamanho - esta enorme - e na interactividade. Já brinca imenso, ri para as pessoas, palra, faz bolhinhas, gosta de ouvir musica, segue-me para todo o lado. É tão, mas tãããão diferente! 

 

Há uma coisa engraçada que me continua a acontecer. Acontece-me varias vezes achar que isto tudo não passa de um sonho. Não estou a romantizar a ideia. Acho - mesmo - que vou acordar e isto não passou de uma ilusão. E isto acontece-me desde que sai da maternidade... recorrentemente. A verdade é que apesar de tudo na minha vida ter mudado radicalmente... já não saberia bem o que fazer sem este Amor. 

 

Minha Vi pequenina, minha maior companheira, minha forca inesgotável. A mama descobriu que a vida é muito mais doce, simples e importante desde que tu nasceste. És a minha maior lição. A mamã Ama-te... e nem sabia que era isto o amor. 

20
Set17

Um Mês de cada vez - Powered by Mitosyl - 3.

Ana Gomes

IMG_5886.PNG

 

Há alturas em que escrever sobre a maternidade é um desafio. Falta-me a inspiração - apesar de não me faltarem coisas para dizer - e porquê? Porque de repente parece que caí num poço de clichês. 

Na realidade tudo o que nos dizem acaba por se confirmar. E aquilo que sentimos é visto de uma forma muito peculiar por quem nos rodeia : ou lhes é indiferente - porque não experienciaram nada do género e por isso não se conseguem relacionar, ou então desvalorizam porque "já sei". 

 

Ainda que cada bebé seja um bebé isto da maternidade é um processo evolutivo que acontece na mulher. E que de facto pode ter as maiores variáveis de acordo com as possibilidades de cada um. Ups... fui longe demais? Talvez. Mas acho mesmo que as possibilidade que temos ou a forma como as conseguimos gerir influencia um pouco a experiência. Não falo de Amor ou de sentimento - nunca entraria por aí. Mas o apoio familiar, a possibilidade de ter alguém a tratar das coisas ou ficarmos completamente ocupados com as tarefas domésticas e maternais influenciam o nosso nível de cansaço e a possibilidade que temos - ou não - de viver para além do pequenino ser. Eu acho que vivo num meio termo : não tenho ninguém a tomar conta dela e tenho uma pessoa que me ajuda em casa duas vezes por semana. Ainda assim sinto-me muito cansada, principalmente no espectro emocional. Já consegui compreender que é também uma questão de hábito. 

 

A Vi é uma doçura. Com a chegada dos 3 meses as cólicas deixaram de dar sinal de vida o que facilitou IMENSO todo o processo. Ela dorme bem - acorda no máximo duas vezes por noite - e acorda muito bem disposta. Entretém-se bem sozinha e adora estar na cama dela e no muda-fraldas ( go figure... ) . Tenho sido um pouco rigorosa na forma como trato dela : claro que já entrou num centro comercial... e já perdi a conta à quantidade de vezes que entrou no IKEA mas evito ao máximo que seja muito estimulada : televisão nem vê-la - literalmente. E sempre que apanho o Pai a tentar distrai-la com a caixinha mágica mudo-a de posição. Sendo uma bebé calma e bem disposta - que adora a ouvir música e ficar a olhar para a roupa a baloiçar na corda do estendal, nem sempre é fácil trabalhar com ela em casa. É natural : se não lhe estou a dar leite, mudar a fralda ou um miminho... estou a lavar biberons, separar a roupa, orientar almoço ou jantar e a tentar arrumar alguma caixa. A hora do banho é sagrada : tento que entre as 19h e as 21h esteja despachadinha, depois adormece cedo e lá fico eu a lutar contra o sono e a tentar responder a emails. 

As teorias que temos sobre os filhos e a forma de os educar transforma-se depois de nascerem. Lá se vão por terra as verdades absolutas e as certezas. Tenho sentido isso tanto com coisas simples do dia-a-dia como com coisa mais complexas : eu não me medico... e tive de perder as minhas manias e medicá-la antes das vacinas por não suportar o desconforto que senti na primeira toma.

 

Estou completamente apaixonada pela minha gordinha. Emociono-me muitas vezes ao perceber como está a crescer rápido, como de um momento para o outro começou a interagir connosco, nos dá sorrisos largos e gargalhadas toscas. Como quer absorver tudo e engolir o mundo com os seus olhinhos de azeitona. Fico tempos perdida a olhar para ela a dormir serena ou a tentar agarrar o seu elefante num malabarismo entre mãos, boca e pés. E não gosto de lhe negar colinho... porque continuo a ser eu que me derreto com a minha bolinha quente a respirar nos meus braços. 

 

 

 

 

25
Ago17

Um mês de cada vez - Powered by Mitosyl - 2.

Ana Gomes

IMG_3176.JPG

 

IMG_3425.JPG

 

A quantidade de emoções que a maternidade nos traz são inqualificáveis.

E acho que é importante esclarecer que é normal nem tudo ser um mar de rosas. Decidi começar esta crónica precisamente por este sentimento porque começo a entender que é o que mais se fala. Senti isso desde o início - no momento em que soube que estava grávida - e em que dizer que para mim era um facto complicadíssimo encaixar na minha vida foi recebido com muitos "vais-te arrepender do que estás a dizer".

A sensação de ter um bebé, de ter uma vida nos braços é indescritível. A vida a acontecer, os momentos de paixão, a ternura e aquela aura de amor são em tudo maravilhosos e incomparáveis. Mas nos últimos tempos já dei por mim a ter verdadeiros momentos de desespero em que penso: em que é que se transformou a minha vida?

Para já a minha vida é este ser pequenino que sorri na mesma proporção em que chora - o que lá vai equilibrando a balança. A sério... um sorriso de um bebé é o melhor antidepressivo desta vida. Sempre achei estranho as mulheres que se anulavam com a maternidade, mas hoje sei que isso é mais uma consequência do que uma escolha ou um desleixo.

Houve dias - e estou certa de que muito mais estarão por vir - em que me perguntam o que se passa comigo e respondo: nada. Sendo que este nada é o pior que me podia estar a acontecer naquele momento. São dias em que não acontece absolutamente nada. Fico nos mesmos m2 durante horas a fio, muitas vezes de pijama, a sentir a vida a acontecer lá fora. Acabou a liberdade de sair de casa a qualquer momento, de ir ao ginásio a qualquer hora, de decidir por mim, já para não falar em cinema, férias ou viagens. Eu sabia - desde o inicio - que esse iria ser o meu maior obstáculo e confesso que está a ser uma parede difícil de escalar. Por outro lado, dou saltos muito altos quando, por exemplo, vamos as duas no carro e consigo sorrir e sentir uma felicidade tremenda quando percebo que nunca mais estarei sozinha. Um filho é - indiscutivelmente - um ótimo propósito para quem precisa de uma motivação.

 

E convenhamos: a Vitória é uma bebé incrível. Tem-me dado noites maravilhosas (primeiro com um relógio de precisão suíço que acordava de 2h em 2h horas e ultimamente com períodos bem longos que podem ir da meia noite às seis da manhã). Se começou com sorrisos tímidos o evoluir dos dois meses brindou-nos com sorrisos rasgados e uma interacção inacreditável. Gosta de ouvir música - e tenho ouvido mais música clássica do que nunca - mas também temos os nossos momentos de Girl Power com Beyoncé e afins! Continua a amar os seus banhos na Shantala (a banheira que parece um baldinho e imita o ambiente do útero) e os nossos momentos de massagem - uso a gama Tri-Active da Mitosyl no corpo e no rosto. Derrete-se com as longas conversas que o meu pai tem com ela e estica o corpo quando vê a minha mãe (sabe bem quem a acalma sempre com um colinho delicioso). Acho que os avós são a melhor coisa que uma criança pode ter. Para além da paciência que parece infinita são uma ótima forma de dar alguma liberdade aos pais. Aproveitem bem esses avós!!! 

 

Amo vê-la a crescer mas não deixo de ficar de coração apertadito quando vejo a roupa que lhe deixa de servir: é mesmo verdade - é tudo um instante! Repito demasiadas vezes por dia “a Mãe está aqui" sabendo que só a conforta quando realmente apareço e me vê ou sente e caramba... beijo infinitamente aquela cabecinha sempre morninha e as bochechas frescas. Toda a gente garante que estes primeiros meses são os mais complicados ... mas não dá para negar que o amor que se recebe destes seres pequeninos compensa cada momento de desespero. Afinal de contas a maternidade é uma montanha russa, isso ninguém nos escondeu!  

 

 

Sobre a Mitosyl®: 

Mitosyl® é uma gama especialmente concebida para dar resposta às necessidades do bebé, passo a passo, e é uma marca de confiança dos pais no momento de proteger a pele dos seus bebés.

23
Jul17

Passatempo Mitosyl

Ana Gomes

20364111_Ju9iB.jpeg

 

 

 

A semana passada fiz um live no Facebook para vos mostrar alguns dos produtos de beleza que são novidade no mercado e... a vossa curiosidade estendeu-se à pequena Vitória! Eu entendo a curiosidade e acho imensa graça a isso e quero que os vossos babys possam ter alguns dos produtos iguais aos que ela usa na sua "rotina de beleza" ;)

 

Em parceria com a Mitosyl temos para oferecer a gama Tri-Active e um ursinho querido da Mitosyl ( um dos bffs da Vitória ). 

 

 

Vencedora Passatempo : 

Captura de ecrã 2017-08-25, às 00.01.02.png

Captura de ecrã 2017-08-25, às 00.01.13.png

Captura de ecrã 2017-08-25, às 00.01.25.png

 

12
Jul17

Um Mês de Cada Vez - Powered by Mitosyl.

Ana Gomes

IMG_2368.JPG

  ( texto escrito a 18 de Junho 2017 ). 

 

Já perdi a conta à quantidade de vezes que comecei a escrever este texto. 

Fui sempre interrompida por um pensamento, por uma memória ou por uma prioridade chamada Vitória. 

 

Caramba... já passou um mês! A minha pequenita já tem um mês. E não há clichês suficientes para descrever todos os momentos. É uma verdade universal : o tempo passa a correr. Principalmente este primeiro mês que é uma espécie de bolha transparente onde há muito medo, muito amor, muita ansiedade e muito mimo. 

 

Nunca pensei que escrever sobre este período fosse assim tão complicado. De repente toda a noção de tempo, rotina ou urgência se transforma. E a realidade é que, como muita gente me disse, já nem me lembro do tempo que passei internada ou em repouso absoluto : ou seja, lembro-me se usar algum tempo a pensar nisso. O que senti naquela altura é apenas uma memória. Assim sendo:  aproveito para dar força a todas as pessoas que possam estar nessa situação... o famoso "cérebro de grávida" parece que se agrava com o nascimento de uma criança e esquecemo-nos de IMENSA coisa.

 

Mas... vamos lá! Depois de todo o turbilhão que foi o dia do parto os dias atropelaram-se. No hospital fui lutando contra o desconforto do pós-operatório de uma cesariana e aprendendo a tomar conta da minha bebé. Sabe o que dizem do instinto? É em parte muito verdade e acaba por funcionar para quase tudo. Penso que tinha mudado duas fraldas a vida toda e fazê-lo parece a coisa mais inata do mundo, fralda nova pronta, compressas com àgua, creme muda-fraldas e em 2 minutos a rotina está completa. O colo, o carinho, o aconchego... vamos aprendendo as duas o que funciona melhor connosco. O mais engraçado? Olhar para ela e realizar que aquele ser começou por ser um pontinho a piscar numa ecografia e que tinha evoluído desta forma... mais... tinha cabido assim dentro da minha barriga. Tudo isto pode soar ridículo mas a realização deste momento é pura magia.

 

Pelo meio houve a visita do Papa, um Benfica Campeão e o Salvador Sobral a vencer a Eurovisão. Saí do hospital "fresca e fofa" e a Amar pelos Dois eheh. Depois de uma viagem de carro bastante dolorosa ( muitas lombas e ressaltos que em nada combinam com uma cicatriz fresquinha ) cheguei a casa dos meus pais. Na bagagem trazia mais duas coisas : a minha menina e uma catrefada de hormonas prontas para me levarem para um canto e se transformarem em lágrimas de "terror". 

A ajuda nestes primeiros tempos é fulcral! Não ter de me preocupar com as minhas refeições ou com a lida da casa foi meio caminho andado para tentar recuperar parte da minha vida. 

E sublinho: todos os dias uma nova aprendizagem. 

Dizem que o primeiro mês é o mais complicado. Não posso assegurar isso. Penso que entrámos rapidamente num bom entendimento. Os primeiros tempos foram duros : a Vitória não aumentava de peso e as constantes visitas à neonatologia foram muito stressantes e cansativas, cada nova visita representava uma nova estratégia de alimentação e rotinas. E na balança não se registavam aumentos. Até que as coisas acabaram por funcionar. Cada grama era uma batalha ganha e temos ganho boas e deliciosas batalhas nas últimas semanas :) 

 

A gravidez também me ensinou que nem sempre a nossa vontade ou aquilo que temos idealizado se concretiza. Aconteceu isso com o parto e com a amamentação. Neste momento cumpre-se um plano de aleitamento materno e suplemento. Uma pequena derrota para mim... mas que se esquece quando vemos que tudo está bem e que ela está a crescer. Sei que até hoje não desisti de dar maminha muito por culpa da enfermeira Célia que me acompanhou nas aulas de preparação para o parto. Utilizo muitas das coisas que aprendi lá, e uma troca de mensagens na primeira semana ajudou-me muito a não desmotivar. E numa das idas à neonatologia para pesar a pequerrucha acabei por ir pedir ajuda à enfermeira Lurdes ( que foi incansável no meu primeiro internamento ) e que me ajudou também nesta "luta" pela amamentação. O curso pré-parto também me ajudou a lidar com naturalidade com várias coisas que aconteceram na maternidade. 

Sabem a sensação com que fico? O nascimento de uma criança é uma coisa tão normal - especialmente para estes profissionais de saúde que lidam com vários nascimentos por dia - que fica muita coisa por ensinar e por explicar. Foi nesse momento que aprendi a valorizar - ainda mais - o curso que fiz. 

 

Já em casa ainda não se viveram dois dias iguais. Tentamos criar algumas rotinas, sendo que a mais estável é mesmo a do banho. E ela - que detestava o banho nos primeiros dias - passou a adorar este momento desde que começámos a usar a shantala! Águinha bem temperada, o quarto todo pronto, damos o banhinho tentando que ela aproveite o relaxamento e seguimos para uma sessão de massagens com o Creme de Corpo Mitosyl Tri-Active. Depois vem o leitinho :) Optei pelo banho antes de jantar para depois podermos aproveitar esse momento com mais calma ( e com ela já a descansar ) .  

 

De resto é impressionante como todos os dias se nota alguma evolução e crescimento! E há um misto de alegria e "pena" quando as roupinhas deixam de servir.

 

E querem saber um segredo? Não sei quem precisa mais de colinho. Se ela do meu ou eu do dela. 

 

 

 

Sobre a Mitosyl®: 

Mitosyl® é uma gama especialmente concebida para dar resposta às necessidades do bebé, passo a passo, e é uma marca de confiança dos pais no momento de proteger a pele dos seus bebés.

08
Mai17

#4 E essa gravidez como está a correr? - Powered by Mitosyl

Ana Gomes

IMG_9202.JPG

 

Escrevo-vos esta crónica já no final da gravidez (yey). 

Quem acompanha o blog sabe que estas últimas semanas foram bem particulares e que me vi obrigada a uma paragem forçada.

É claro que as condições e os desfechos de gravidez variam de pessoa para pessoa mas se voltasse atrás no tempo teria escolhido abrandar um pouco o ritmo (à medida que o tempo foi passando) em vez de ser forçada a parar. Nada me garante que não ia ser obrigada a repouso absoluto, mas... talvez fosse menos óbvio que isto iria acontecer. Mas enfim...... num esgar de esperança para todas as pessoas que possam estar a passar por isto: já lá vão quase 6 semanas, com muito desespero e algumas lágrimas pelo meio mas... já mal me lembro dos primeiros tempos. 

Claro que ter saído do hospital ajudou a tornar tudo um pouco mais leve. Como vou passar os primeiros tempos em casa dos meus pais e foi para cá que vim, conseguimos começar a orientar algumas coisas. A caminha já está montada, a roupa toda preparada, o carrinho e o ovo já estão prontos para a receber :). Quando fui internada há umas semanas a minha mãe preparou uma malinha para a bebé com os essenciais (os produtos da Mitosyl de higiene que já estavam de parte, uma chucha, e alguns babygrows, os mais pequeninos que tinha aqui), apesar de as perspectivas não apontarem para uma bebé muito grande, já pude acrescentar com calma alguns coeiros e casaquinhos. Claro que ter quase tudo orientado me deu algum ânimo e chegou aquela parte em que tenho de ser sincera: também me deu medo! Muito medo aliás... Mas aqui volto!

 

Durante estas semanas recuperei uma coisa maravilhosa que foi ter tempo de qualidade com os meus pais. Estando aqui em casa fizemos todas as refeições juntos, à mesa, nas calmas e com aquele extra fantástico chamado "comida da mamã" que tenho a sorte de ser precisamente a comida com a qual me identifico (comida biológica, várias refeições macrobióticas... e até fomos testando algumas papas e leitinhos para oferecer à Vitória daqui a uns meses eheheh) . 

 

Não vou ser a melhor pessoa para vos dar conselhos sobre como ocupar o tempo: para mim foi bastante complicado, fiquei completamente saturada do computador e ... não gosto de ver televisão! Fui alternando entre vários livros: sobre maternidade, alimentação, lifestyle e biografias... e vi algumas séries - o Netflix foi uma óptima bóia de salvação - também consegui tomar algumas decisões que já estavam mais ou menos tomadas mas ainda não resolvidas: a escolha do carrinho, terminar o projecto de decoração do quarto, comprar a caminha para os primeiros tempos, escolher a bomba de leite e todo o kit para a amamentação. Todas estas escolhas vieram de certezas que tinha anteriormente, mas que foram sendo fundamentadas com o passar do tempo e com a informação que fui recolhendo. Também conheci IMENSAS lojas online com coisas incríveis para bebés e este é sem dúvida o maior "perigo": as compras online... consegue lá uma pessoa resistir a estas tentações? 

 

Também foi nestas semanas que fui mais apaparicada e mimada e senti finalmente aquela preocupação e carinho especial que se nutre pelas grávidas. Não é que alguma vez tivesse sido maltratada (longe disso) mas talvez por a minha gravidez não ser fisicamente muito evidente nunca tinha sentido aquela ternura especial de que tanto ouvi falar :). Claro que apesar disso ser óptimo, no meu caso veio acompanhado de uma mistura de sentimentos: de repente vi-me totalmente dependente de toda a gente e não é uma situação super confortável para mim. 

 

E agora...voltando ao "buzilis" da questão: O Medo! Considero todas estas sensações e emoções super normais e estou-me a tentar preparar para lidar com muitas dúvidas e frustrações, mas confesso que tirando o primeiro choque da notícia da gravidez e todas as questões que me passaram pela cabeça, mal resolvi o assunto e decidi aceitar em paz esta mudança na minha vida, nunca mais tinha sido visitada pelo bicho papão do medo e da ansiedade. Facto que mudou imenso nos últimos dias quando me comecei a ver rodeada por todos os objectos reais que dizem " daqui a pouco estará aqui um bebé e ... vai ser para sempre ". Todas as coisinhas corriqueiras passaram a ser praticamente dramáticas. E se até então achava que o meu pós-parto ia ser super fácil... nos últimos dias tenho-me tentado mentalizar que será mais do que normal não fazer a mínima ideia do que é suposto fazer. Falam-me do instinto e sei que é com isso - e com a partilha com outras mães - que vou poder contar. 

 

E bom... como em tudo na vida... mais vale ir vivendo o presente com a maior serenidade possível! O que vier... virá. E estamos aqui com muita vontade de fazer tudo acontecer! :) 

 

 

Sobre a Mitosyl®: 

Mitosyl® é uma gama especialmente concebida para dar resposta às necessidades do bebé, passo a passo, e é uma marca de confiança dos pais no momento de proteger a pele dos seus bebés.

11
Abr17

Pedidos de Ajuda :

Ana Gomes

b3921325fed577f8362ef4811670e914.jpg

 

 

 

Lamentavelmente nas últimas semanas tenho recebido vários pedidos de ajuda. 

 

Digo "lamentavelmente" porque o ideal seria que não existisse necessidade de intervir : mas é claro que a vida é mesmo assim. 

 

Sempre que posso ajudo. E encaminho os pedidos para quem acho que possa fazer a diferença ou que possa actuar de alguma maneira. 

 

Há cerca de duas semanas soube que era necessária roupa de recém-nascido no Hospital de Santa Maria e conseguimos uma boa mobilização. 

Mais tarde - creio que no mesmo dia - recebi uma mensagem a partilhar a história da Diana - que podem conhecer e acompanhar na página "Ajudar a Diana" . 

 

É claro que tenho compaixão por todas as partilhas, mas o facto de estarmos a falar de uma bebé, uma menina... enfim... tocou-me ainda mais no coração. 

 

Falei com as meninas da Mitosyl e acabei de saber que a Diana já recebeu um miminho que lhe quis enviar :) 

Assim faz sentido para mim estar associada a marcas, porque na hora em que pedi fizeram seguir o meu pedido fazendo com que esta pequena limitação que tenho não fosse impeditiva de nada! 

 

IMG_3984.jpg

 Obrigada a todas as pessoas que diariamente ajudam quem mais precisa. <3 

 Caso conheçam causas ou precisem de ajuda usem as caixas de comentários do facebook ou do blog para deixar essa nota. É uma boa forma de tentarmos chegar a mais pessoas! <3 

 

 

03
Abr17

#3 E essa gravidez como está a correr? - Powered by Mitosyl

Ana Gomes

0477.jpg

 

 

 

Corre. Mas agora corre um bocadão mais devagar! 

 

Ora vamos lá por os acontecimentos por ordem. Na última crónica contei-vos que o privilégio de sentir a Miss Vi era só meu. 

Acho que mal cliquei no botão "publicar" isso mudou. A minha barriga passou a ser um pequeno festival que deixou o Pai super derretido. Acredito que este momento para eles seja vivido de outra maneira. Afinal de contas nós vivemos a gravidez desde o dia 1 e sabemos que estamos grávidas por vários factores físicos e hormonais. Já eles... são informados e vivem com o sentimento da chegada de um baby. Tenho a certeza que sentir o bebé mexer pela primeira vez depois de tanto tempo ( no meu caso demorou 6 meses a "passar cá para fora " ) seja maravilhoso. 

 

Não senti - ainda assim - grandes mudanças em mim ou na minha forma de estar. Não tenho mais sono, nem me sinto mais cansada. Na realidade até sinto uma energia extra! Acordo bem cedo, super bem disposta e pronta para tratar das coisas do dia-a-dia. 

 

Tenho-me tentado envolver ao máximo nestas coisas da maternidade. Processo lento para estes lados! Já aderi a alguns grupos no facebook e até me atrevi a perguntar qual seria o melhor detergente para lavar a roupa da pequenina. Tenho tido a ajuda mais do que preciosa da minha Mãe que tem orientado tudo! Aliás... não tenho nada da Vi em casa, vou arrumando tudo e todas as semanas entrego uma malinha de viagem à minha Mãe. A verdade é que como a casa não está pronta - e está longe de estar - vou passar os primeiros tempos em casa dos meus pais e fica tudo por lá até termos a vida organizada. 

Já tentei montar os conjuntinhos para os primeiros dias e foi aí que percebi que tinha muita roupa "errada" - se é que isto se pode dizer - roupa quente para os 3 meses e roupa pouco quentinha no tamanho 0 ou 1 mês. Mas já tratámos de comprar tudo certinho : até aqui não tinha comprado mesmo nada :) Recebi imensa roupa de presente nos primeiros tempos e especialmente no Baby Shower.  Mesmo assim a malinha dela não está feita! Só separámos alguns conjuntos, foi tudo lavado e falta colocar em saquinhos ou fraldas de pano e escolher uma mala. Fiz precisamente o mesmo com os produtos de higiene dela, como vamos fazer o parto num hospital privado - tenho seguro e a minha obstetra faz lá os partos - não preciso de levar grande coisa... mas optei por colocar : 

-  Mitosyl Crosta Láctea;

-  Mitosyl Pomada Protectora e Pomada de Lassar;

-  Mitosyl Tri-Active Loção Corporal e Creme Facial 

 

Vou também colocar um peluchinho para dormir e uma chucha ( sendo que ainda não me decidi bem sobre este tema... ) . 

 

Para mim ainda não pensei em grande coisa, mas já comprei um soutien de amamentação e duas camisas de dormir para o hospital. Já levei na cabeça porque comprei o XXL... mas sinceramente não sei o que vou engordar e preferia a ideia de não me sentir apertada ( sendo que a esta distância o XXL me fica - tenho de admitir - demasiado grande ) . Nas aulas de preparação para o parto a enfermeira Célia - de entre as inúmeras dicas preciosas que nos tem dados sobre os tempos na maternidade - reforçou que DEVEMOS investir num bom soutien. A diferença de preço entre marcas é significativa mas os efeitos também são! Os soutiens de amamentação devem ter um suporte muito bom - tipo soutien de desporto - para suportar o peso da mama cheia sem descair! Vamos compreender o investimento e todos os euros a mais que gastámos num soutien NADA sexy meses mais tarde :) 

 

Até às 29 semanas tinha engordado 3 kilos e quando voltei à minha segunda consulta com a nutricionista ela ficou mesmo contente - e fez-me sentir orgulhosa de estar tudo bem encaminhado. Expliquei-lhe que andava a sentir mais fome ao final do dia e que era impossível deitar-me sem voltar a comer... e a Dra. fez pequenas alterações na minha "ementa" diária - colocou mais um lanche - para tentar controlar o apetite ao final do dia. E resultou :)

 

A questão é... escrevo-vos às 31 semanas, directamente da minha cama! Fui fazer a Eco de rotina das 30 semanas e alegria : estava tudo maravilhoso com a pequena, está a crescer bem e não há nada a declarar de anormal. Tirando o facto de eu estar cheia de contracções e ela estar encaixadinha e a tentar nascer. Remédio? Beber muita água, fazer um reforço de magnésio e não sair da cama até nova consulta. Psicologicamente está a ser muito duro para mim. Não consigo estar confinada ao mesmo espaço, faz-me confusão estar deitada - estou inclusivé com dores no corpo por não poder varias muito a posição - mas... é por um bem maior! Para além de tudo isto não me apetecia engordar os 10 kilos que não engordei assim... do nada! Mas a verdade é que a fome existe e a inércia também. 

 

O Vulcão tem sido um óptimo companheiro. Fica sempre pertinho de mim e é inacreditável a companhia que um animal nos pode fazer : mesmo que não possa - obviamente - conversar connosco. 

 

Entretanto entramos em contagem decrescente. Com uma grande dose de psicologia e mentalização que me fazem ter de acreditar que não faz mal estar deitada na cama agora que queria aproveitar os últimos tempos e deixar tudo resolvido. O que importa no final é mesmo isto... está tudo a correr bem! 

 

Sobre a Mitosyl®: 

Mitosyl® é uma gama especialmente concebida para dar resposta às necessidades do bebé, passo a passo, e é uma marca de confiança dos pais no momento de proteger a pele dos seus bebés.

 

 

 

 

 

 

 

 

PUB

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Playlist Spotify

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D