Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Melhor Amiga da Barbie

05
Dez17

Um Mês de Cada Vez - Crónica MITOSYL 5 e 6 Meses.

Ana Gomes

3DDE8824-4DF2-4CA4-ABF4-12E3C8D5E34D.jpeg

 

E num voo passámos os 5 e os 6 meses. A minha bebé já tem meio ano ( uau ) e é um poço de simpatia. 

 

Sou uma mãe ultra babada porque adoro esta característica da Vitória : ri muito, presta muita atenção às pessoas e tem uns olhinhos doces que nos derretem em mil beijos e abracinhos. 

 

Estamos - aos poucos - a tentar encontrar o melhor equilíbrio entre as necessidades de todos. Já sabem que sou aquela chata que acha que todos precisamos dos nossos ritmos e dos nossos tempos. A Vi é a nossa prioridade - o conforto e o bem-estar dela sempre em primeiro lugar - mas... eu também tenho de trabalhar, tenho de encontrar um tempinho para as minhas coisas e não devo - nem posso - sentir-me mal por ter essa necessidade. 

Faço uma ginástica diária para coordenar horários e compromissos e quando é mesmo necessário desmarcar... desmarca-se. Certo?  Claro que esta é a atitude lógica e é o passo que costumo dar... mas às vezes bamboleio até parar aquele sentimento esquisito aqui dentro que me diz : está tudo certo, e mesmo que as pessoas não compreendam, ou que seja mesmo chato desmarcar alguma coisa em cima da hora... esta é a atitude correcta. 

 

Será justo partilhar que os meus principais receios foram resolvidos sem dramas : a Vi adora comer e ... adora a escola. Entrego-a de olhos fechados porque todos os dias vejo o carinho com que tratam todos os bebés, as actividades... os momentos de mimo. Por brincadeira até costumamos dizer que a estragaram na escola porque agora exige atenção! A Gena, a Rita e a Bela são 3 pessoas incriveis que arrancam sorrisos malandros à minha boneca. Adora brincar, entretém-se com tudo , gosta de conversa e nem queiram saber como reage a certas musicas! Dança e ri às gargalhadas - numa descoordenação tão doce que nos faz dançar e rir com ela. Já se tenta sentar e nem vos passa pela cabeça a quantidade de vezes que por estar mais irritada ou por enfiar as mãos na boca ouço ou dou por mim a dizer : são dentes. Mas não há sinais deles! E tenho dificuldade em eleger o melhor momento do nosso dia mas vou arriscar dizer que é o banho, onde se delicia com os patinhos na água... depois uma massagem e muitas gargalhadas - usamos o Tri-Active da Mitosyl - e finalmente um pijama quentinho, o leite e miminho no colo. 

 

Ver a Vitória a brincar traz-me muitas vezes à terra. É capaz de ficar maravilhada com objectos tão comuns como a xuxa com que anda todos os dias. E eu ponho-me a pensar que nós - os mais crescidos - estamos sempre à procura de novos estimulos e novos "objectos". E o sorriso com que acorda todos os dias? É uma felicidade ver-nos, receber um dia novo, começar a brincar, o colinho... os beijinhos! Quantos de nós acordamos assim? Sorridentes e gratos por ver que à nossa volta tudo continua a acontecer? 

 

Nestes meses tenho tido os meus altos e baixos. Há momentos em que o fluir natural das coisas atrapalha os planos que tinha para mim, as coisas que preciso de fazer. Muitas vezes os horários são uma condicionante e sinto a frustração. Apesar de me sentir mais adaptada ( ou direi... conformada? ) há dias em que preciso de um STOP. De respirar fundo. Há uma semana cheguei a casa - depois de um dia normal - e tudo o que queria era deitar-me no sofá e não pensar em nada. Claro que a Vitória chorava porque queria brincar, ou reclamava porque tinha fome, havia o banho, a massagem, o miminho... e eu a ficar cada vez menos disponivel... ela cada vez mais ansiosa. Uma pequena bola de neve. A dada altura já era eu que precisava de chorar e adivinhem? Não tinha tempo. É nestes momentos que é importante ter uma rede, um porto seguro que nos permita dizer "pega nela 10 minutos" e arranjamos força para nos restabelecer, para respirar fundo para um colo mais musculado. 

 

Horas de sono em défice, muitos livros por terminar e sessões de cinema adiadas. Uma bebé espectacular! 

13
Nov17

No mundo dos bebés há milhentos acessórios - e este tem sido essencial para nós :

Ana Gomes

O mundo dos bebés e dos acessórios é infinito! 

A generalidade das pessoas admite que as coisas se vão simplificando à medida que o tempo passa ( ou que se tem mais filhos ) mas há várias coisas que considero mesmo essenciais. Pelo menos na nossa dinâmica familiar! 

E falo-vos desta camarazinha incrível que ainda nos vai dando uma espécie de liberdade. 

 

A Vitória ainda dorme no nosso quarto ( e sinceramente parte-me o coração deixar de ter a minha companheira do meu lado ), mas senti necessidade de ter uma câmara de vigilância bem cedo. 

 

<

62BD27BE-6C6E-4CFF-AC67-8E84797BDB1B.jpeg

 

p>A Vi sai da escola cedinho ( pelas 16h já estamos em casa ) e a essa hora o meu dia de trabalho não vai nem a meio. Telefonemas, vídeos, um pequeno chinfrin em casa já que é por aqui que tenho de me organizar. E então gosto de a deitar no quartinho a dormir a sesta. Outra situação é quando damos um jantar em casa e está tudo mega animado e sei que ela não está a conseguir descansar ( é uma curiosa do pior ) e prefiro "recolhe-la".  É uma forma agradável de ter o melhor para todos : ela descansa e nós conseguimos fazer mais alguma coisa. Como não tenho por hábito ver televisão durante a semana acabo por ir cedo com ela para o quarto e fico a trabalhar na cama enquanto ela dorme no Next2Me. Mas nas restantes situações dá mesmooooo muito jeito! Depois claro que o Pai adora que esta câmara de vigilância seja cheia de tecnologias : Dá para tirar fotos, fazer clips de vídeo, dá para comunicarmos com ela... Para além disso tem câmara com infravermelhos e dá para ver a temperatura do quarto, estão a ver o filme? 

 

Eu sim - literalmente. 

 

 

O nosso é este , Top Digital Video da Chicco. 

 

full.jpg

 

01
Nov17

Um Mês de Cada Vez - Crónica MITOSYL 4.

Ana Gomes

19BB14DA-51AF-47BA-A5A3-D7BAD967E988.jpeg

 

Escrevo este post enquanto a Vi dorme na espreguiçadeira. 

Num dia normal já a tinha deitado na alcofa... mas passou o dia a tossir. 

Caramba. O sufoco de ter um bebé adoentado é avassalador. Os 4 meses começaram assim: nariz entupido, expectoração muita tosse. O meu coração mudou de tamanho e passei umas três noites a olhar para ela. Hoje é a tosse que me apoquenta e fico de vigia. 

Ela é super rija. Como é que um ser que nasceu tão pequenino e aparentemente tão indefeso se tornou numa espertalhaça. 

 

Os 4 meses representaram dois momentos de transição enorme na vida dela - e naturalmente na minha - a diversificação alimentar e a entrada no berçário. Estava aterrada com qualquer uma delas... e claro que quem teve de aprender fui eu! Quando lhe ofereci sopa e fruta aceitou como se tivesse comido a vida toda. E o berçário? Fica na maior. Na maior!!! Estou super feliz com a escola, as educadoras e auxiliares são um amor e muito prestáveis o que facilita - e muito - todo o processo. A Vi quase salta do meu colo para o delas quando entramos na escola e eu balanço entre um ciuminho e um orgulho desmedido por ter uma bebe tão querida e simpática. 

 

Desde que soube que estava gravida que disse que ela iria para a escola na primeira oportunidade. E sim : precisava desesperadamente de algum tempo para fazer as minhas coisas com mais concentração. Mas........ quem vai para casa todos os dias ( e já passou um mês ) com um friozinho na barriga sou eu. E claro que é maravilhoso recuperar algum tempo para mim - seria hipócrita fingir que é tudo complicado - mas passo o dia a pensar nela naturalmente. 

 

No final do mês passado achei que os dentinhos nos estavam a fazer uma visita: andava irritada, instável, a querer roer tudo e a fazer chorinho o dia todo... mas o Pediatra tirou/nos dai o sentido apesar de eu já andar com o balsamo primeiros dentes da Mitosyl na carteira.... just in case. 

 

Aiiiii e o que ela cresceu neste mês! Em tamanho - esta enorme - e na interactividade. Já brinca imenso, ri para as pessoas, palra, faz bolhinhas, gosta de ouvir musica, segue-me para todo o lado. É tão, mas tãããão diferente! 

 

Há uma coisa engraçada que me continua a acontecer. Acontece-me varias vezes achar que isto tudo não passa de um sonho. Não estou a romantizar a ideia. Acho - mesmo - que vou acordar e isto não passou de uma ilusão. E isto acontece-me desde que sai da maternidade... recorrentemente. A verdade é que apesar de tudo na minha vida ter mudado radicalmente... já não saberia bem o que fazer sem este Amor. 

 

Minha Vi pequenina, minha maior companheira, minha forca inesgotável. A mama descobriu que a vida é muito mais doce, simples e importante desde que tu nasceste. És a minha maior lição. A mamã Ama-te... e nem sabia que era isto o amor. 

24
Out17

O Quartinho da Vi - This Little Room x La Redoute

Ana Gomes

 

 

Barbie-LTRoom_02.jpg

 A porta ficou entreaberta e podem - finalmente - espreitar o quarto da minha Vi! 

O projecto - como partilhei no passado - foi feito pela This Little Room e o mobiliário foi escolhido online no site da La Redoute. 

Ficou exactamente como o tínhamos desenhado: simples, bonito, pratico e com um toque divertido. 

Para já o quarto so é utilizado para mudar a fraldinha, pequenas sestas e para guardar a roupinha da princesa. 

Quis começar por um ambiente mais calmo e sóbrio porque sei que pouco faltara para se encher de vida e cor. Basta ela começar a mandar - ainda mais - nisto tudo. :) 

Barbie-LTRoom_03.jpg

 

Barbie-LTRoom_04.jpg

 

Barbie-LTRoom_05.jpg

 

Barbie-LTRoom_06.jpg

 

Barbie-LTRoom_07.jpg

 

Barbie-LTRoom_08.jpg

 

 

 

Barbie-LTRoom_10.jpg

 

 

 

Barbie-LTRoom_12.jpg

 

Barbie-LTRoom_13.jpg

 

Barbie-LTRoom_18.jpg

  Os Stikers que usamos numa das paredes resultaram de uma parceria que fiz com a This Little Room e podem ser adquiridos online através do facebook - This Little Room.  A parede oposta foi pintada com duas tonalidades muito suaves da Barbot ( cores usadas Branco leite 153 , inocência 211, Branco Puro RAL 9010  ) e quer uma quer outra parede são aquele detalhe que - a meu ver - marca a diferença e da ainda mais personalidade ao espaço. Fiquei muito feliz com o resultado final. 

 

Barbie-LTRoom_19.jpg

 

Barbie-LTRoom_20.jpg

 

 

27
Set17

A primeira sopa. :)

Ana Gomes

AF4C4B46-374C-417D-8027-DC23083D0553.jpeg

 

As crianças crescem a uma velocidade assustadora! 

De repente... a minha bebé começou a comer. O pediatra sugeriu sopa e fruta apenas ao almoço e até aos 6 meses e eu fiquei satisfeita com a ideia. Na minha cabeça também preferia que começasse pela sopa não fosse depois habituar-se ao docinho da Papa e não querer outra coisa. 

 

Estava um pouco nervosa com esta nova etapa e preferi adiar uns dias já que fui um fim-de-semana para fora. Mas mal voltei passei no Celeiro para comprar os legumes biológicos e lá me dediquei a esta nova etapa - que a meu ver também começa nas compras - decidi usar para a primeira sopa a seguinte combinação : 

Batata Doce, Abóbora Hokkaido, Cebola e Cenoura. Descasquei os legumes, coloquei água : já se sabe... sem sal e com azeite apenas depois de cozinhado e deixei a Cuisine Companion fazer o resto enquanto lhe dava banho. É uma ajuda preciosa já que me permite cumprir aquele papel de mãe : o multitasking! Não há sopa queimada, não há várias coisas para lavar, fica tudo prontinho no mesmo recipiente : cozinhado e passado. 

 

Estava com muito receio desta nova fase e como em tudo com esta bebé deliciosa correu às mil maravilhas. Adora a sopinha :) Mas também... modéstia à parte... estava mesmo boa! <3 

01767B7E-ABD7-473D-AAD0-1F96DDF3B5E6.jpeg

 

20
Set17

Um Mês de cada vez - Powered by Mitosyl - 3.

Ana Gomes

IMG_5886.PNG

 

Há alturas em que escrever sobre a maternidade é um desafio. Falta-me a inspiração - apesar de não me faltarem coisas para dizer - e porquê? Porque de repente parece que caí num poço de clichês. 

Na realidade tudo o que nos dizem acaba por se confirmar. E aquilo que sentimos é visto de uma forma muito peculiar por quem nos rodeia : ou lhes é indiferente - porque não experienciaram nada do género e por isso não se conseguem relacionar, ou então desvalorizam porque "já sei". 

 

Ainda que cada bebé seja um bebé isto da maternidade é um processo evolutivo que acontece na mulher. E que de facto pode ter as maiores variáveis de acordo com as possibilidades de cada um. Ups... fui longe demais? Talvez. Mas acho mesmo que as possibilidade que temos ou a forma como as conseguimos gerir influencia um pouco a experiência. Não falo de Amor ou de sentimento - nunca entraria por aí. Mas o apoio familiar, a possibilidade de ter alguém a tratar das coisas ou ficarmos completamente ocupados com as tarefas domésticas e maternais influenciam o nosso nível de cansaço e a possibilidade que temos - ou não - de viver para além do pequenino ser. Eu acho que vivo num meio termo : não tenho ninguém a tomar conta dela e tenho uma pessoa que me ajuda em casa duas vezes por semana. Ainda assim sinto-me muito cansada, principalmente no espectro emocional. Já consegui compreender que é também uma questão de hábito. 

 

A Vi é uma doçura. Com a chegada dos 3 meses as cólicas deixaram de dar sinal de vida o que facilitou IMENSO todo o processo. Ela dorme bem - acorda no máximo duas vezes por noite - e acorda muito bem disposta. Entretém-se bem sozinha e adora estar na cama dela e no muda-fraldas ( go figure... ) . Tenho sido um pouco rigorosa na forma como trato dela : claro que já entrou num centro comercial... e já perdi a conta à quantidade de vezes que entrou no IKEA mas evito ao máximo que seja muito estimulada : televisão nem vê-la - literalmente. E sempre que apanho o Pai a tentar distrai-la com a caixinha mágica mudo-a de posição. Sendo uma bebé calma e bem disposta - que adora a ouvir música e ficar a olhar para a roupa a baloiçar na corda do estendal, nem sempre é fácil trabalhar com ela em casa. É natural : se não lhe estou a dar leite, mudar a fralda ou um miminho... estou a lavar biberons, separar a roupa, orientar almoço ou jantar e a tentar arrumar alguma caixa. A hora do banho é sagrada : tento que entre as 19h e as 21h esteja despachadinha, depois adormece cedo e lá fico eu a lutar contra o sono e a tentar responder a emails. 

As teorias que temos sobre os filhos e a forma de os educar transforma-se depois de nascerem. Lá se vão por terra as verdades absolutas e as certezas. Tenho sentido isso tanto com coisas simples do dia-a-dia como com coisa mais complexas : eu não me medico... e tive de perder as minhas manias e medicá-la antes das vacinas por não suportar o desconforto que senti na primeira toma.

 

Estou completamente apaixonada pela minha gordinha. Emociono-me muitas vezes ao perceber como está a crescer rápido, como de um momento para o outro começou a interagir connosco, nos dá sorrisos largos e gargalhadas toscas. Como quer absorver tudo e engolir o mundo com os seus olhinhos de azeitona. Fico tempos perdida a olhar para ela a dormir serena ou a tentar agarrar o seu elefante num malabarismo entre mãos, boca e pés. E não gosto de lhe negar colinho... porque continuo a ser eu que me derreto com a minha bolinha quente a respirar nos meus braços. 

 

 

 

 

04
Set17

Não deixar cair a bola.

Ana Gomes

Hoje escrevo o meu primeiro post na minha casa nova. 

 

A Vitória dorme na espreguiçadeira, agarradinha à fralda de pano e encostada a um elefante de quem é muito amiga. 

 

É Setembro, está calor em Lisboa e entra uma brisa fresca pela janela. Ainda cheira tudo a novo : a madeira, a velas com cheirinhos doces, a móveis acabados de montar. Ainda estamos no meio do caos organizado. 

 

Há muitos anos atrás a minha mãe estava provavelmente neste lugar onde estou hoje. Eu dormiria algures. Com toda a certeza ela não estava sentada neste espaço exacto e muito menos escrevia um primeiro post num computador. Presumo que antes de existirmos - eu e o meu irmão - ela pensaria e viveria de uma forma bem diferente. Talvez tenha sentido a vertigem, as duvidas, os medos, as questões infinitas que se colocam e aqueles momentos em que voltamos a viver - na nossa cabeça - a vida antes de termos o coração a bater fora do nosso corpo. 

 

Há um ano atrás eu estava muito longe de imaginar que teria uma bebe deliciosa comigo. Ou que voltaria para a casa onde nasci. Ninguém me iria conseguir convencer que seria capaz de largar os meus metros quadrados no coração da cidade. Ninguém me iria fazer crer que poderia sentir paz com este silêncio, com esta brisa, com a respiração profunda da minha pequenina que dorme tranquila - agarrada à fralda, encostada a um elefante de quem é muito amiga. 

 

Ela também trocou os seus metros quadrados no coração da cidade por uma nova morada. Eles - Mãe e Pai - também começaram outra vida - bem diferente - desde que nós aparecemos por cá. E conseguiram - e conseguem - ser os melhores do mundo. Sempre disponiveis, educadores, complexos e completos. Sem nunca deixar cair a bola. Eu ainda ando nos treinos, há muitos dias em que deixo a bola cair. E quando ela cai - espero - que a Vitória ainda não dê por isso. 

 

A vida é a mesma e ao mesmo tempo a vida é outra. Troquei o coração da cidade pelo coração doce da minha menina. E sei que vou ser feliz. Porque tenho de ser : por ela e por mim - que sou dela. 

IMG_5143.JPG

 

25
Ago17

Um mês de cada vez - Powered by Mitosyl - 2.

Ana Gomes

IMG_3176.JPG

 

IMG_3425.JPG

 

A quantidade de emoções que a maternidade nos traz são inqualificáveis.

E acho que é importante esclarecer que é normal nem tudo ser um mar de rosas. Decidi começar esta crónica precisamente por este sentimento porque começo a entender que é o que mais se fala. Senti isso desde o início - no momento em que soube que estava grávida - e em que dizer que para mim era um facto complicadíssimo encaixar na minha vida foi recebido com muitos "vais-te arrepender do que estás a dizer".

A sensação de ter um bebé, de ter uma vida nos braços é indescritível. A vida a acontecer, os momentos de paixão, a ternura e aquela aura de amor são em tudo maravilhosos e incomparáveis. Mas nos últimos tempos já dei por mim a ter verdadeiros momentos de desespero em que penso: em que é que se transformou a minha vida?

Para já a minha vida é este ser pequenino que sorri na mesma proporção em que chora - o que lá vai equilibrando a balança. A sério... um sorriso de um bebé é o melhor antidepressivo desta vida. Sempre achei estranho as mulheres que se anulavam com a maternidade, mas hoje sei que isso é mais uma consequência do que uma escolha ou um desleixo.

Houve dias - e estou certa de que muito mais estarão por vir - em que me perguntam o que se passa comigo e respondo: nada. Sendo que este nada é o pior que me podia estar a acontecer naquele momento. São dias em que não acontece absolutamente nada. Fico nos mesmos m2 durante horas a fio, muitas vezes de pijama, a sentir a vida a acontecer lá fora. Acabou a liberdade de sair de casa a qualquer momento, de ir ao ginásio a qualquer hora, de decidir por mim, já para não falar em cinema, férias ou viagens. Eu sabia - desde o inicio - que esse iria ser o meu maior obstáculo e confesso que está a ser uma parede difícil de escalar. Por outro lado, dou saltos muito altos quando, por exemplo, vamos as duas no carro e consigo sorrir e sentir uma felicidade tremenda quando percebo que nunca mais estarei sozinha. Um filho é - indiscutivelmente - um ótimo propósito para quem precisa de uma motivação.

 

E convenhamos: a Vitória é uma bebé incrível. Tem-me dado noites maravilhosas (primeiro com um relógio de precisão suíço que acordava de 2h em 2h horas e ultimamente com períodos bem longos que podem ir da meia noite às seis da manhã). Se começou com sorrisos tímidos o evoluir dos dois meses brindou-nos com sorrisos rasgados e uma interacção inacreditável. Gosta de ouvir música - e tenho ouvido mais música clássica do que nunca - mas também temos os nossos momentos de Girl Power com Beyoncé e afins! Continua a amar os seus banhos na Shantala (a banheira que parece um baldinho e imita o ambiente do útero) e os nossos momentos de massagem - uso a gama Tri-Active da Mitosyl no corpo e no rosto. Derrete-se com as longas conversas que o meu pai tem com ela e estica o corpo quando vê a minha mãe (sabe bem quem a acalma sempre com um colinho delicioso). Acho que os avós são a melhor coisa que uma criança pode ter. Para além da paciência que parece infinita são uma ótima forma de dar alguma liberdade aos pais. Aproveitem bem esses avós!!! 

 

Amo vê-la a crescer mas não deixo de ficar de coração apertadito quando vejo a roupa que lhe deixa de servir: é mesmo verdade - é tudo um instante! Repito demasiadas vezes por dia “a Mãe está aqui" sabendo que só a conforta quando realmente apareço e me vê ou sente e caramba... beijo infinitamente aquela cabecinha sempre morninha e as bochechas frescas. Toda a gente garante que estes primeiros meses são os mais complicados ... mas não dá para negar que o amor que se recebe destes seres pequeninos compensa cada momento de desespero. Afinal de contas a maternidade é uma montanha russa, isso ninguém nos escondeu!  

 

 

Sobre a Mitosyl®: 

Mitosyl® é uma gama especialmente concebida para dar resposta às necessidades do bebé, passo a passo, e é uma marca de confiança dos pais no momento de proteger a pele dos seus bebés.

12
Jul17

Um Mês de Cada Vez - Powered by Mitosyl.

Ana Gomes

IMG_2368.JPG

  ( texto escrito a 18 de Junho 2017 ). 

 

Já perdi a conta à quantidade de vezes que comecei a escrever este texto. 

Fui sempre interrompida por um pensamento, por uma memória ou por uma prioridade chamada Vitória. 

 

Caramba... já passou um mês! A minha pequenita já tem um mês. E não há clichês suficientes para descrever todos os momentos. É uma verdade universal : o tempo passa a correr. Principalmente este primeiro mês que é uma espécie de bolha transparente onde há muito medo, muito amor, muita ansiedade e muito mimo. 

 

Nunca pensei que escrever sobre este período fosse assim tão complicado. De repente toda a noção de tempo, rotina ou urgência se transforma. E a realidade é que, como muita gente me disse, já nem me lembro do tempo que passei internada ou em repouso absoluto : ou seja, lembro-me se usar algum tempo a pensar nisso. O que senti naquela altura é apenas uma memória. Assim sendo:  aproveito para dar força a todas as pessoas que possam estar nessa situação... o famoso "cérebro de grávida" parece que se agrava com o nascimento de uma criança e esquecemo-nos de IMENSA coisa.

 

Mas... vamos lá! Depois de todo o turbilhão que foi o dia do parto os dias atropelaram-se. No hospital fui lutando contra o desconforto do pós-operatório de uma cesariana e aprendendo a tomar conta da minha bebé. Sabe o que dizem do instinto? É em parte muito verdade e acaba por funcionar para quase tudo. Penso que tinha mudado duas fraldas a vida toda e fazê-lo parece a coisa mais inata do mundo, fralda nova pronta, compressas com àgua, creme muda-fraldas e em 2 minutos a rotina está completa. O colo, o carinho, o aconchego... vamos aprendendo as duas o que funciona melhor connosco. O mais engraçado? Olhar para ela e realizar que aquele ser começou por ser um pontinho a piscar numa ecografia e que tinha evoluído desta forma... mais... tinha cabido assim dentro da minha barriga. Tudo isto pode soar ridículo mas a realização deste momento é pura magia.

 

Pelo meio houve a visita do Papa, um Benfica Campeão e o Salvador Sobral a vencer a Eurovisão. Saí do hospital "fresca e fofa" e a Amar pelos Dois eheh. Depois de uma viagem de carro bastante dolorosa ( muitas lombas e ressaltos que em nada combinam com uma cicatriz fresquinha ) cheguei a casa dos meus pais. Na bagagem trazia mais duas coisas : a minha menina e uma catrefada de hormonas prontas para me levarem para um canto e se transformarem em lágrimas de "terror". 

A ajuda nestes primeiros tempos é fulcral! Não ter de me preocupar com as minhas refeições ou com a lida da casa foi meio caminho andado para tentar recuperar parte da minha vida. 

E sublinho: todos os dias uma nova aprendizagem. 

Dizem que o primeiro mês é o mais complicado. Não posso assegurar isso. Penso que entrámos rapidamente num bom entendimento. Os primeiros tempos foram duros : a Vitória não aumentava de peso e as constantes visitas à neonatologia foram muito stressantes e cansativas, cada nova visita representava uma nova estratégia de alimentação e rotinas. E na balança não se registavam aumentos. Até que as coisas acabaram por funcionar. Cada grama era uma batalha ganha e temos ganho boas e deliciosas batalhas nas últimas semanas :) 

 

A gravidez também me ensinou que nem sempre a nossa vontade ou aquilo que temos idealizado se concretiza. Aconteceu isso com o parto e com a amamentação. Neste momento cumpre-se um plano de aleitamento materno e suplemento. Uma pequena derrota para mim... mas que se esquece quando vemos que tudo está bem e que ela está a crescer. Sei que até hoje não desisti de dar maminha muito por culpa da enfermeira Célia que me acompanhou nas aulas de preparação para o parto. Utilizo muitas das coisas que aprendi lá, e uma troca de mensagens na primeira semana ajudou-me muito a não desmotivar. E numa das idas à neonatologia para pesar a pequerrucha acabei por ir pedir ajuda à enfermeira Lurdes ( que foi incansável no meu primeiro internamento ) e que me ajudou também nesta "luta" pela amamentação. O curso pré-parto também me ajudou a lidar com naturalidade com várias coisas que aconteceram na maternidade. 

Sabem a sensação com que fico? O nascimento de uma criança é uma coisa tão normal - especialmente para estes profissionais de saúde que lidam com vários nascimentos por dia - que fica muita coisa por ensinar e por explicar. Foi nesse momento que aprendi a valorizar - ainda mais - o curso que fiz. 

 

Já em casa ainda não se viveram dois dias iguais. Tentamos criar algumas rotinas, sendo que a mais estável é mesmo a do banho. E ela - que detestava o banho nos primeiros dias - passou a adorar este momento desde que começámos a usar a shantala! Águinha bem temperada, o quarto todo pronto, damos o banhinho tentando que ela aproveite o relaxamento e seguimos para uma sessão de massagens com o Creme de Corpo Mitosyl Tri-Active. Depois vem o leitinho :) Optei pelo banho antes de jantar para depois podermos aproveitar esse momento com mais calma ( e com ela já a descansar ) .  

 

De resto é impressionante como todos os dias se nota alguma evolução e crescimento! E há um misto de alegria e "pena" quando as roupinhas deixam de servir.

 

E querem saber um segredo? Não sei quem precisa mais de colinho. Se ela do meu ou eu do dela. 

 

 

 

Sobre a Mitosyl®: 

Mitosyl® é uma gama especialmente concebida para dar resposta às necessidades do bebé, passo a passo, e é uma marca de confiança dos pais no momento de proteger a pele dos seus bebés.

10
Jul17

Vai ficar tudo bem.

Ana Gomes

DSCF0273.JPG

 

Quando descobri que estava grávida tive um dos maiores momentos de introspecção e de dúvidas da minha vida.

Tentei explicar, com delicadeza, que cuidando com carinho e com amor da nova vida que crescia em mim, vivia simultaneamente um momento de muita incerteza. Eu... que sempre sonhava ter sido mãe não estava a conseguir lidar com a concretização desse sonho do qual já tinha desistido. 

 

Depois vieram os enjoos, veio um corpo em constante mudança, veio o repouso absoluto. Cada dia que passava tudo se tornava um bocadinho mais real. Mas nunca tão real assim... 

 

No dia em que a Vitória nasceu a sala de partos esteve algum tempo em silêncio. Não sei precisar a fracção de tempo : milésimos de segundos talvez... uma eternidade para mim. O meu novo coração de mãe gelou. 

Mas antes disso senti que seria a Vitória que me ia perder. Não tive medo de nada. Absolutamente nada. Pensei na minha mãe e agonizei o sentimento de uma mãe perder uma filha. Depois pedi ao pai da Vitória que me prometesse que seria bom e paciente com ela. 

Correu tudo bem e rapidamente se confirmou o que toda a gente diz : ser mãe é inato. Na verdade, ser mãe é um momento de aprendizagem constante, enquanto a bebé aprende a viver nós aprendemos a lidar com a nova vida. 

 

Falar da maternidade exige a minha maior sinceridade: não é fácil. É verdade que o nosso Eu se transforma, como se o Ser que vivia até então dentro de nós passasse a ter-nos dentro dele. E precisasse indiscriminadamente do nosso calor, do nosso carinho, da nossa atenção, do nosso alimento e da nossa segurança. Este sentimento é avassalador. Se por um lado a nossa vida tem um sentido e um propósito por outro lado exige que saibamos ser altruístas. Ou por outra, que lidemos bem com isso 24 horas por dia. E posso assegurar que nem sempre é fácil, nem sempre é bonito, nem sempre é simples ou descomplicado. Todos os dias sinto que a minha vida está em suspenso até poder voltar a ser vivida. Acredito que volte a ser uma aprendizagem. Nada será como antes : nunca mais. 

 

Pela primeira vez senti medo de morrer. Porque pela primeira vez senti que a minha existência poderia ser fulcral para o bem estar de outro ser. Quis-lhe explicar uma coisa que ainda não pode entender: vai ficar tudo bem. 

 

Todos os dias preciso de me deitar com a certeza de que a fiz sentir-se amada. Não só quando me devolve o sorriso mais doce do mundo mas também quando chora desesperadamente e não a sei consolar. Peço-lhe desculpa. Muitas vezes por dia. Especialmente nesses momentos em que quase perco o chão por não a saber tranquilizar. 

 

Meu Amor, tudo o que preciso que saibas é que não te poderia ter sonhado mais perfeita. 

PUB

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Playlist Spotify

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D