Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Melhor Amiga da Barbie

02
Dez11

Carta ao José Luís Peixoto

Ana Gomes
Alerta :

Esta carta é altamente sentida. Nada divertida e muito pessoal.
Mais do que qualquer outro post, a leitura deste em particular é altamente dispensável.



Caro José Luís Peixoto,

Não sei como começar.
Talvez por dizer que preferia não te conhecer o rosto. Corro um certo risco de sofrer um ataque de ansiedade se nos cruzarmos na rua. Corres um certo risco de me ver correr para ti e dizer "ensina as pessoas a ser o que escreves."
Prometo que o ataque de ansiedade será o resultado de me estar a controlar e nunca o ir fazer.

É por isto que preferia não te conhecer o rosto. Não pelos mesmos motivos preferia não saber os teus gostos musicais. Devolvem-me um lado obscuro que encontrei nos teus primeiros livros. Sempre gostei das tuas palavras. Nunca das músicas que soube que ouvias.

Por um motivo ou por outro passei a olhar o grotesco com os olhos do amor. E soube que em ti sempre houve algo que me agradou. Em ti ou nos teus caracteres. Sabes, os teus filhos têm uma sorte do caraças. Acredito que os pais, na sua grande maioria, amem os filhos e sintam por eles exactamente o que sentes. Tenho a certeza que muitos deles não sabem expressar aquilo que expressas. Nunca da forma como o fazes.
O teu livro " Abraço " é um tratado de beleza, de carinho, de ternura e envolvimento. É um colo onde apetece sentar. Obrigada por partilhares connosco essa parte de ti. Claro que é próprio ires para as páginas do teu livro dizer que "amas". Os leitores devem estar abertos a encontrar o que houver para vir. Eu mais rapidamente o teu amor por pessoas, do que um homem sem pernas e sem braços.

Se há livro que mais me custou riscar foi este. Abri feridas nas páginas.
Se há livro que mais me apeteceu riscar foi este. Abriu sentimentos por osmose.

Os meus olhos engoliram as letras, atropelaram as virgulas, passaram pelos parágrafos com a gula de quem quer que o mundo seja assim. Porque é honesto. Porque partilhas. Porque no fundo, nalgum momento da vida, gostava de ter brincado contigo em Portalegre, ou em Coimbra. Ser tua amiga ou amiga de uma das Alziras. E fazer parte do mundo, que é teu, e em que as coisas que o teu coração diz aparecem nas páginas dos livros que tenho lá em casa.

Muitas vezes acho que o meu coração adormeceu. Depois começo a fazer contas de cabeça e percebo que é impossível. Enquanto existirem pessoas a escrever como tu, terei sempre vontade de sentir.
"De mim, espera amor e uma pessoa. Como as pessoas às vezes, engano-me, não sei respostas, tenho medo, tenho frio, minto, faço coisas feias, desisto escondo-me e fujo."

Um abraço.

Obrigada.


9 comentários

Comentar post

PUB

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Playlist Spotify

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D